28/03/2015

Isto põe-me nos cascos, que quereis? # 2

A confusão entre os verbos estar e ter.
Já estou um bocadinho nervosa, só de pensar nisso.

E sei o que é que vou "ouvir" no fim deste post: que foi a linguagem desinteligente, usada nos sms, que teve "a culpa" de toda a gente escrever esta grande pérola do novo léxico, aplicada, qual golpe baixo, a meu cérebro, via olhos, que é 

(um pouco de ribombar, que é para dar algum suspense)


Eu tive doente dos meus nervos.

Eu tive na escola.
Eu tive nessa aula.
Eu tive atento à matéria.
Ou tive a dormir, não sei bem.

O verbo tar conjuga-se mais ou menos assim, acho eu:
Eu tô, tu tás, ele tá, nós tamos, vós tais, eles tão;
Eu tarei, tu tarás, ele tará, nós taremos, vós tareis, eles tarão;
Eu tive, tu tiveste (ou tivestes? ou tives-te/s?), ele teve, nós tivemos, vós tivesteis, eles tiveram. 

Raios e coriscos, lá diria o outro. Então, mas o verbo tar confunde-se com o verbo ter, nalguns tempos verbais... talvez seja porque o verbo tar...

(vá, só mais um niquinho de ribombar, que eu ainda estou muito nervosa)

o verbo tar não existe, genitais!

Eu sei - reparem no quão permissiva eu sou, que até sei as coisas modernas - que escrever tive é mais rápido do que escrever estive. Isso, até admito que faça quem já tem os polegares atarrachados, por mandar quinhentos mil, setecentos e oitenta e dois sms por dia. Não percebo que faça quem já tem para cima de, vá lá, uns 25 anos (e estou a ser tão generosa, mas não me livro deste defeito) e tenha, digamos, responsabilidades profissionais, mas ainda se dê à lata ao descalabro ao desplante ao descuido de escrever Eu tive nessa reunião e pareceu-me tudo ok.
Pareceu-te tudo ok, porque nem para o que escreves olhas, nhurro.

Até me apetece tornar-me aleatória e começar a trocar a ordem dos dois, à bruta: Eu estive uma branca no teste; Eu estive má nota a português; Eu estive um trauma com as aulas de português. 
Então, não era bonito?

Eu estive um filho.
Eu estive gripe.
Eu estive gordura no cérebro.
Eu estive que ser operada à minha próstata.

Hã? Lindo. Eu gosto.
Fico nervosa, mas aprecio.
Adeus.


4 comentários:

  1. Eu tive-te a ler até ao fim, e confesso que para uma manhã solarenga (afinal parece que os metereologistas tão mesmo a acertar), tás um bocado mal disposta... Tou com isto a querer dizer, que tás-te mesmo a habilitar a que a um fim de semana que tava destinado ao triquini, teja a ficar condenado. Anima-te melher. Sabes o que te digo? Tá-se ! Tá-se bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum... é o mal de escrevermos de véspera e publicarmos quando a mood já não tem nada a ver... :)
      Escrevi ontem à noite, mas só publiquei hoje de manhã, deu em protestos.
      Bom, não vou estrear o triquini com 18 º. Mas deste-me uma boa ideia para outro post, que já tenho vontade de fazer há que tempos.

      Eliminar
  2. Os taralhocos conjugam muito bem o 'verbo tar'. Uma questão de hábito.

    ResponderEliminar