11/12/2014

Nunca como agora desejei ter o dom da ubiquidade

Vou vê-la dia sim, dia não. Ontem foi sim, hoje é não. Os dias não são uma tormenta. Os dias sim são a mesma tormenta desde que bato o portão atrás de mim. Fico sempre parada no passeio, a desbloquear. Nem sequer respiro fundo, não sinto nenhum alívio. Volto menos de dois dias depois, que, para ela, significam quarenta e oito horas. Quarenta e cinco. São muitos minutos para tanta solidão e silêncio e tristeza. Por mais que eu converse comigo e me diga que também tenho que viver a minha vida, amar outras pessoas, trabalhar, descansar e ligar-me à Terra, há outra em mim que me responde: "Desculpas. Agora só ela precisa de ti". E agora eu preciso dela mais do que nunca, muito mais do que quando ela me deu ao mundo e me agarrou com aqueles braços que agora quase nem existem. 

Eu devia ser duas, a que vive a minha vida, e a que está lá todos os dias, todo o dia, a tê-la aconchegada no abraço, agora que são os meus braços que a aninham, de tão pequenina que ficou - ou eu cresci? -, mas que nunca teriam que bater o portão.

Não. Eu devia ser três. Se pudesse pedir, pedia para ser três. Havia mais uma, que se metia à estrada e voava, em obediência à voz da terra e do sangue. Que também é a do coração.

32 comentários:

  1. O dom da ubiquidade era mais do que merecido. Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas esse beijinho também é, companheira.
      Outro :*

      Eliminar
  2. ubiquidade - O facto de estar presente em toda a parte ao mesmo tempo. = OMNIPRESENÇA, UBIQUAÇÃO

    "ubiquidade", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/ubiquidade [consultado em 11-12-2014].

    (só para esclarecer as pessoas menos cultas, nem todos estudámos em colégios finos de Cascais)

    Dito isto...
    O tempo é uma besta, passa sem se preocupar com o que deixa passar. O bom que tem, quando precisamos do seu efeito para sarar as feridas abertas, é o mal que em simultâneo existe, quando queremos que pare, ou volte atrás.
    O tempo é intransigente. Cabe-nos a nós, vivê-lo. :)

    Boa quinta feira, miúda************

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu sou tão vaidosa que não me queria repartir em três. Queria que houvesse três LPs a incendiar isto tudo.

      (O colégio era fino, mas não era em Cascais :)

      Estou, à pressa, a tentar aproveitar todos os tempos, e a sentir o tempo a fugir-me.
      Obrigada pelas tuas palavras, teimoso :)

      Para ti também :) Teimoso.

      Eliminar
    2. "Teimoso" eu ?? Calúnias... :p

      Eliminar
    3. De Cascais, eu?? Calúnias... :P

      Eliminar
    4. És teimoso :P
      Eu não sou de Cascais.
      Tu queres é a minha morada. Hah :P

      Eliminar
    5. És tão de Cascais, pá :))))))))))

      Eliminar
    6. Só se me trocaram à nascença, mas olha que esse grande evento até se deu em Lisboa!
      Numa clínica chiquérrima! :)

      Eliminar
    7. O teu nascimento?
      A tua mãe é famosa?
      És a filha da Ágata?
      Conta-me tudo...

      Eliminar
    8. Hã?
      Não...
      Não!
      E não.
      (mas é preciso ser filha de uma pimba para se ter tido um nascimento do mais chique que há?)
      Clínica extinta, há tantos anos que foi...

      Eliminar
    9. Mas nós não somos da terra onde a nossa mãe nos liberta de dentro de si. Eu nasci na cidade fantasma, mas não sou de lá.
      Nós "somos" do sítio, onde fomos criados: tu Cascais, eu Vila Maravilha.

      Eliminar
    10. Então, dás-me razão: nada e criada em Lisboa.

      Eliminar
    11. Relê: "Nós "somos" do sítio, onde fomos criados: tu Cascais, eu Vila Maravilha."

      = "tu Cascais"

      Eliminar
    12. Eu. Não. Fui. Criada. Em. Cascais.
      Tu Tarzan.
      Tu teimoso.

      Eliminar
    13. Ah ah ah ah ah.... Pronto, hoje não falo mais nisso, se não, tu sentir-te-às obrigada a apresentar uma cópia da tua certidão de nascimento e de todas matrículas que fizeste na escola.
      (repara como eu não disse, na escola lá em Cascais... aos poucos, estou a ceder :D )

      Eliminar
    14. E amanhã podias também não falar, porque desacertas na mesma :)
      A minha certidão de nascimento? Aos anos que isso já foi, já deve estar na Torre do Tombo...

      Eliminar
    15. Imagino! Mas acho que depois, em 1974 eles mudaram isso tudo de local. Se calhar só se fores mesmo à conservatória (repara como não disse "a Cascais") é que encontras isso :D

      Eliminar
    16. Ao Museu de Arte Antiga! :D

      Eliminar
    17. E este que era um post sério...

      Eliminar
    18. Abandalhaste-me isto tudo.
      Foi alguma vingança por eu ter falado em pés chatos no teu das crianças hiperactivas? :P

      Eliminar
    19. Eu?!
      Eu dei uma resposta coerente, poética até e qual dicionário, esclarecedora dos significados das palavras difíceis que insistes em usar.
      Tu é que abandalhaste isto com calúnias improvadas!!

      Eliminar
    20. Vens para aqui chamar-me nomes, puuuuumba!

      Eliminar
    21. Eu, LP de Cascais, eu..? :(
      é muito triste dizeres essas coisas... magoei .. :'(

      Eliminar
    22. Chamas-me "De Cascais" e queres que me fique?
      Puxa, ainda por cima prega-me com complexos de culpa :(

      Eliminar
    23. ...se o Pai Natal não estivesse preso, este ano não te levava nada de qualquer forma :p

      Eliminar
    24. Eu quero tão pouco...
      :P

      Eliminar
  3. O teu post fez-me chorar... a minha mãe também está gravemente doente :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei o que te diga.
      Aproveita-a.
      As melhoras :-|

      Eliminar
  4. Sei bem do que falas:(

    ResponderEliminar