12/11/2015

Na minha família, atravessa-se o rio depois de se morrer

Nascem todos no Alentejo e vêm morrer a Lisboa, porque aqui passaram a morar, ou porque assim lhes calhou nos meandros dos hospitais. Depois voltam, muito deitados, atravessando o rio pela última vez, na direcção de além Tejo.
São muitos, são imensos, são enormes, também em quantidade. Por isso, de vez em quando, ultimamente vezes a mais, atravessamos o rio juntos e voltamos mais sós, os que cá ficam — em Lisboa, e na vida. Andamos para perder o parentesco uns dos outros, não porque nos tenhamos esquecido, mas por termos a árvore genealógica mais peculiar e ramificada do pomar. Dei comigo a dizer a uma das minhas tias o que só talvez ela e eu consigamos entender — Tia, a tia é minha prima direita, pois se o seu pai era irmão da minha mãe... — e é isto que nos fica, todos entrelaçados no tronco esquisito que o meu avô e os meus tios mais velhos plantaram, por terem procriado raízes ao mesmo tempo. 
Hoje, quando atravessei o rio por mais uma vez, que sei não ser a última, lembrei-me da minha Titi — que foi minha mãe, tão mãe quanto a minha mãe —, e de como estava um dia assim, radioso e azul, quando ela fez a travessia, apesar de Janeiro. E veio-me à lembrança uma esperança, que é a de, pesem embora os dias azuis que banham a ponte azul, nunca chegar a minha vez de atravessar o rio tão deitada. Eu quero ficar aqui. E, se tiver mesmo que o atravessar, que seja porque os meus olhos se fecharam além Tejo, e eu estarei, enfim, em fim, a voltar para casa. Num dia assim, azul.

10 comentários:

  1. O quê?!?
    A tua família é Egipcia?!?!?!?!?

    (Sorry, brincadeirinha da treta)

    Excelente texto!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha... às tantas...

      Obrigada :)

      Eliminar
  2. Lindo, o teu texto, pese ser sobre a morte.
    Quando os teus olhos se fecharem, seguindo a ordem natural das coisas, os meus já se terão cerrado. Porém, as cinzas espalhadas ao vento norte, irei fazer-te companhia.

    Beijos, Lindinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Maria, mas as coisas não têm ordem natural...
      Eu também me quero de cinzas, assim bem acompanhadas.

      Beijos para ti, rapariga.

      Eliminar
  3. Um beijito. (N vamos p novas...acho q é por isso que começamos a atravessar mais vezes o rio...pq não somos as únicas a não irmos p novas....)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Me. Para ti outro (Faz parte da viagem...).

      Eliminar
  4. E não significará a morte sempre a travessia metafórica de uma ponte?
    Tão bonito, o seu texto, Blue. Tocou-me muito.

    Um beijinho e um dia feliz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sim, Miss Smile — uma viagem, uma passagem para outro lado.
      Obrigada, minha querida.

      Um beijinho também, um dia bom :)

      Eliminar
  5. Olá LB !
    Gostei do texto ( como sempre ).
    Mas fiquei impressionado com as tuas associações.
    Mais natural no teu caso ...devemos ser realistas ... dá para lembrar/ recordar .
    Mas ... " voltam, muito deitados, atravessando o rio pela última vez "... fez-me impressão.
    Achei uma imagem muito forte .
    Beijo,
    José

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, José
      Obrigada.
      Os meus eufemismos nem sempre correm bem.
      Se soubesses onde fui buscar "a inspiração" de muito deitados...
      Uns acabaram de maca, outros ainda mais deitados, o coveiro que o diga...
      :)
      Beijo

      Eliminar