15/11/2015

A pequenez

Estamos sempre , de alguma maneira. Ou porque estivemos com o bilhete comprado e perdemos aquele avião que caiu. Ou porque estivemos em Nova Iorque até à véspera do dia 11. Ou porque até pensámos em estar no outro 11, em Espanha. E até admira que não tenhamos estado em Londres, quando andamos de metro todos os dias. Ou porque estávamos na praia, quando o tsunami começou a rugir, mas fomos fumar um cigarro ao resort, e, por isso, a onda nunca nos apanhou. 
Agora é o quê? Não temos portugueses suficientes entre mortos e feridos, temos que protagonizar de alguma maneira. Foi uma barriga portuguesa que gerou um monstro. Somos grandes. 
O terrorista "luso" nasceu no dia 21 de Novembro.
Eu também. De alguma maneira, muito retorcida, também estive . É a Teoria dos Seis Graus de Separação em pleno.
Devo sentir-me grande?


16 comentários:

  1. É um bocado parvo, de facto :P

    Não conheço essa teoria... é sobre o quê? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Basicamente, diz que tu e eu estamos à distância de seis pessoas do George Clooney, ou seja, que entre ele e uma de nós só há seis pessoas, que se conhecem umas às outras.
      :)

      É isto: https://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria_dos_seis_graus_de_separa%C3%A7%C3%A3o

      (Vai na volta e o outro ainda é meu parente, por via da data de nascimento.)

      Eliminar
  2. E eu ????
    Serei primo da vaca Milka dos chicolates ??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vê lá o que é que está de permeio entre ti e ela... :D

      Eliminar
  3. Houve uma série sobre isso. Acho que se chamava mesmo Seis Graus...

    Em relação ao resto... Enfim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teriam que me explicá-la muito bem, com muitos exemplos práticos, para que eu concordasse com ela...

      O resto é a pobreza do costume.

      Eliminar
  4. É isso e records da pizza com o maior diâmetro ou do bolo-rei mais comprido... A sério! Este país, se não fosse tão triste, fazia-me rir!

    Beijos, Lindinha azul. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a feijoada na Ponte, esse ícone da cultura nacional!

      Beijinhos, Maryou :)

      Eliminar
  5. Isso quer dizer que há 6 pessoas entre eu e tu? Se calhar até há. Se calhar já estiveste numa das filas de caixa do Continente e estavam lá 6 pessoas entre tu e eu :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que ainda são menos do que 6, neste caso :P

      Eliminar
  6. Com uma comunidade imensa portuguesa a viver em Paris, e logo nos havia de calhar uma notícia desta natureza. E os outros que pereceram?
    Bom dia, Linda.
    Beijinhos,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tínhamos que ser a fonte do mal, já que não podíamos ser mais nada.
      Bom dia, Mia.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Tal como a porteira portuguesa foi a primeira a acolher vítimas (e o gesto foi, realmente, mto bonito, mas pronto...é a maneira como noticiam)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, mas correndo o risco de parecer insensível, o que a porteira fez foi exactamente o que qualquer pessoa normal faria. De resto, não o fazendo, cometeria o crime de omissão de auxílio, que certamente também existe no ordenamento juridico-penal francês.

      Eliminar
    2. Sim, mas temos de admitir q mtos se fechariam em casa trancados a mais chaves... :)

      Eliminar
    3. Sem dúvida. Nem quero pensar nessa possibilidade...

      Eliminar