01/05/2015

Notícias do meu boi # 2

Isto rala-me.
Custa-me, porque me afeiçoo às coisas da mesma forma que me afeiçoo às pessoas: entrego-me e dou-me, crio relações de dependência emocional - não confundir com obsessiva ou paranóica -, das quais, em correndo de desfeição, saio sempre partida, estilhaçada, ou, no mínimo, lascada. Às vezes, mesmo destruída, pelo que me vejo na contingência de, lentamente, soerguer-me, colar os cacos todos, com maior ou menor vagar, com cola de melhor ou pior qualidade, e seguir em frente, umas vezes cambaleante, coxeante ou ziguezagueante, ainda outras de cabeça levantada para trás do nível da ogiva, mas lá vou eu, que o caminho é em frente e atrás vem gente, que é como dizem as pessoas. Acontece a cola ser reles e descolar-se ao fim de pouco tempo, e lá vêm as dores da quebra lembrar-me que fiquei mal colada e, ou dou tempo ao tempo e deixo-me ficar, novamente a catar cacos, mas à espera de melhor cola, ou persisto em retomar caminho, perdendo bocados por ele afora.
Custa-me ver as pessoas envelhecer - egoistamente, mais a mim do que aos outros, não sei porquê -, assim como me custa ver as coisas envelhecer.
Logo eu, que tenho a teoria de que, se nem as pessoas são eternas, apesar de o serem, as coisas não têm que o ser, e não são mesmo.
Mas estou a cometer uma má despedida, o tal crime imperfeito para que sou incapaz. Nem para criminosa sirvo.
E entenda-se que isto de chamar boi ao meu boi é um reflexo da ternura que eu lhe verto, em muito maior quantidade e francamente mais líquida do que a gasolina que ele me suga a uma velocidade que não se compadece com as velocidades que ele não atinge. Imagino que, em troca, por questões de reciprocidade amorosa, que é a que desagua em felicidade plena e se quer em qualquer relação a dois, ele me tem por a minha vaca, isto, se for totalmente justo - dentro dos critérios de justiça bovina -, embora reconheça que, sendo-o, só posso sê-lo, se for do tempo das vacas magras. 
O meu boi está velho. Apesar de belíssimo, tem muitos anos. Em tempos idos e áureos, foi uma grande maquininha, mas está demente e cheio de artroses. Apesar da idade, não tem muitos quilómetros nos cascos, o que, no entanto, não lhe retira o desgaste e o cansaço do asfalto. 
Há bem mais de um mês, o meu boi começou a tremer e a fazer estranhos ruídos, que indicavam, senão fatalidade, pelo menos qualquer doença - que, como todas, pedia cuidados. 
O médico-veterinário-mecânico, não fora esta terceira especialização do ofício oficinal, teria dado conta da maleita ao primeiro contacto e ao primeiro olhar, que é o que fazem os especialistas da saúde de pessoas e bichos e os grandes apaixonados. Mas este, apurado nas artes do bom ludíbrio, como julgo ser grande parte da classe, diagnosticou velas queimadas, como se o meu boi fosse algum peregrino e houvesse estado em cumprimento de promessa algures, em santuário que não fez parte de nenhum dos meus percursos. Assim lhe pôs candeias novas, assim ele persistiu no comportamento de chaleira ao lume, com a clara desvantagem de não me produzir sequer tisana chalada, quanto mais chá a sério, para ser bebido por pessoa a sério, e séria. 
Tornou o boi ao hospital dos bois, estaleiro do meu barquinho que me dá as asas que servem para voar. 
Diz que, agora, é um dos cilindros. 
Quase aposto em como, quando não encontrar mais razões para a decadência física do meu boi, o especialista, para se poupar a maiores e mais altas figuras da sua incapacidade de salvador, ou para me poupar a mim a maiores e mais altas figuras de incapacidade para perceber o fim das coisas, me atira com a desculpa caldeirão, onde tudo cabe, que é a centralina. 
Eles acabam sempre por falar na centralina.
Eu só quero o meu boi de volta - e continuar o meu caminho, em frente, que atrás vem gente.

8 comentários:

  1. Rapidas melhoras para o teu boi !! Que ambos possam ainda disfrutar de muitos e maravilhosos anos na companhia um do outro :D
    ahahahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coitadito, qualquer dia tenho que lhe comprar uma bengala :D
      Obrigada pela solidariedade, Carla!

      Eliminar
  2. LP,
    Foi como já te tinha dito - pouca autoestima .
    Melhoras !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi?
      Também aderiste ao encriptamento?

      Eliminar
  3. LP,
    Encriptamento ?
    Vou ali buscar o dicionário de Latim...explica lá s.f.f.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posts e comentários que ninguém entende, a não ser o próprio.
      Confesso-te que não percebi, nem em que ocasião me tinhas dito, nem o que é que a falta de autoestima tem a ver com o post. Perdi-me.
      :)

      Eliminar
  4. LP,
    Não sejas assim !
    Boi / automóvel / auto / auto estima .
    Piadola da geral ...auto avariado / baixa AUTOestima.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah. Muito à frente, para mim.
      Encriptada, eu bem digo.
      :P

      Eliminar