20/07/2017

And that awkward moment # 33

em que te liga um Marco, identificando-se como pertencendo à tua operadora de internet, te chama dona Maria — e não te dá tempo para lhe explicares (porque, apesar de não seres mãe dele, ele vai sempre a tempo de aprender, e tu não duras sempre) que não se chama dona Maria a ninguém, nem tão pouco senhora Maria, quanto muito senhora dona Maria, e isto abstraindo dos títulos académicos, que ele não sabe nem sonha, mas até podia perguntar, se não estivesse tão preocupado em chamar-te dona Maria, e seguir o guião lá dele, que há-de conter esses erros todos (porque quem o escreveu há-de ser outro Fábio semelhante), e, já agora que aqui estamos, só lhe é "permitido", segundo as "regras", chamar-te senhora dona Maria e não te apelidar convenientemente, porque tu és fêmea, caso contrário teria que lhe acrescentar o sobrenome, senhor Mário [Apelido], e nunca, por nunca, senhor dom (true-true, já ouviste assim pronunciado) [e vamos lá acabar esta frase intercalar, que já vai maior do que o texto] —, te pergunta se estás satisfeita com o serviço, respondes um pouco convicto, e, por isso, pouco convincente, "Estou...", logo de seguida questiona-te se tens alguma coisa a acrescentar quanto à qualidade do serviço, tu respondes "Tenho: as gravações da televisão desaparecem sem chegarem a ser visionadas, não é possível gravar programas que já foram exibidos, a internet vai abaixo uma vez por outra, e...", e, antes que continues a desfiar o teu rosário de amarguras, o tal Marco pergunta: "A senhora [dona Maria?] reportou essa situação aos meus colegas?" [pois que nunca poderia ter sido a um Marco destes que o tal reporte teria sido feito, porque obviamente a tal situação já estaria resolvida], e, perante a tua afirmativa, vai o Marco e responde-te assim: Pois, mas essa situação das gravações e de a internet ir abaixo não era suposto acontecer. Mais alguma coisa em que lhe possa ser útil, dona Maria?

[Foste-me inútil, senhor dom Marco-não-sei-das-quantas.]
[Não, espera: foste-me útil para me fazer perder dois minutos da minha vida.]
[Espero que estes dois minutos sejam contabilizados no Juízo Final, juntamente com o tempo de permanência em bichas, salas de espera e a aturar chatos.]



2 comentários:

  1. Chegue-se aqui, Senhora Dona Porca Maria.
    Em bom rigor, qual é o seu problema?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que as pessoas não me ouçam.

      Eliminar