25/06/2015

Eremitei-me

Não tenho nada para vos contar.
A minha vida, neste momento, resume-se a um teclado, com (deixa cá contá-las) 104 peças, não contando com aquelas pequenininhas lá de cima, de acesso directo ao mail, à música, à calculadora, e porrinhas, senão, seriam 114, e estou a contar a barra de espaços e o enter como teclas, ao que eu cheguei, mas também não estou a contar as teclas duplas como duas, que isto de se pôr os tiles, os circunflexos e os pontos nos ii não é para qualquer uma, quanto mais as p. das vírgulas. 
O trabalho vai em 314 páginas e eu não lhe vejo o fim, que está quase, mas esse quase já existe desde há muitos dias a esta parte gaga.
Eremitei-me para aqui, faço lembrar um eremita a sério, que se eremitou ao final do eixo norte-sul, de quem vai para o Continente de Telheiras, ali por uns anos. Tinha uma pedra, altar de culto, uns ramos de umas ervas que não devia fumar, e vestia-se e penteava-se como um eremita mesmo real, assim de manto branco e barbas compridas, sei lá se não era o Noé, naufragada a arca e dispersados os bichos todos, aos pares heterossexuais, como convém. Sei só que, um dia, ele se deseremitou, deve-se ter chateado de estar ali todo o dia a vê-los passar, sem ganhar protagonismo nem moedas de jeito, e toca a andar de volta para o escritório, que lá é que se está fresco. Ou alguém se chateou de o ver ali e, como se costuma dizer, institucionalizou-o. Já não se pode ter um aspecto diferente do resto da manada, que não nos tomem logo por loucos e não seja por nós que começam o processo de institucionalização, vulgo, normalização, como aquelas laranjas e maçãs da CEE, que eram todas iguaizinhas umas às outras, deviam vir todas da mesma forma.
Na verdade, a única coisa que faço, e que me distingue de um eremita a sério, é, apesar de trabalhar em casa, lavar-me, pintar-me, vestir-me, meter os dedos ao cabelo (não me penteio, conforme sabeis) e calçar-me, tal e qualmente faria se trabalhasse fora de casa, tipo na rua. Não há cá albarda confortável, nem pés em cima da secretária (a de quatro pernas, que a de duas não tenho), nem migalhas da minha existência por todo o lado, nem dentes por lavar. Por respeito a mim, por respeito ao meu trabalho, por respeito a quem mo paga, sou uma eremita, mas uma eremita chique.
Dia após dia, sento-me às teclas e digo-me,
Bom dia, senhora doutora.
Com todos os efes e erres que a frase contém — e que são muitos.

8 comentários:

  1. Bom dia LP,
    Para quem não tinha nada para contar, verifica-se aqui, um ligeiro apontamento paradoxal.
    Beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Mia
      Paradoxos e idiossincrasias são comigo :)
      Na verdade, não tenho grande assunto, como se viu...
      Beijinhos, um dia feliz :)

      Eliminar
  2. E digo-te mais, és uma diva. Trabalhar em casa é só para quem pode. Num instantinho me desgraçava.
    Eu estou em casa há 2 dias, doente, com aquela coisa do ranho e a tosse cavernosa. Ontem foi o descalabro, hoje o descalabro será.

    (entretanto estava aqui a pensar como é que me punhas as pernas em cima - tu pendurada no teto?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase tenho que me sovar, para conseguir fazer alguma coisa, mas isto vai, ou racha.
      Credo, já passei por isso, no início da Primavera. Deitei pulmões e bofes para fora, nem me quero lembrar. E fui surda por muitos dias.
      As melhoras!

      (isso era uma questão a combinar. Ou tu te punhas de gatinhas... :P)

      Eliminar
    2. Tu não me fales em gatinhas....

      Eliminar
    3. Continua uma diabinha? :)

      Eliminar
  3. Anónimo25/6/15

    Anda tudo doente, com ranho, tosse e afins. Sou mais uma quase surda, este ano já pela segunda vez quando raramente eu me constipava. Horrível, qual perfume, qual comida...zero, pobre nariz!

    Bem, em relação ao que referes e afinal até tinhas qualquer coisa para contar, acho que fazes muito bem adotar essa postura.
    Por vezes quem trabalha a partir de casa desleixa-se, o que é mau.
    Comigoas coisas resultam muito melhor quando estou bem vestida, de dentinho lavado, etc, seja onde for, mesmo a trabalhar em casa sinto-me bem mais confiante se estiver tal como mencionei.
    É só vestir o pijama ou a roupa de "andar" em casa e, toda a energia modifica à minha volta.
    Força nisso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já me livrei dessa praga há semanas.

      O meu computa não me apanha mal enjorcada, jamé!

      Eliminar