17/07/2015

O prometido é devido: a pussy


Não tenho muito a dizer sobre a minha ratinha, mas posso tentar uma aproximação, que ela não morde.

Esta ratinha chegou-me às mãos — literalmente — ao cabo (e não ao resto) de várias tentativas de uso de ratos e ratões, aos quais a minha mão esquerda jamais se habituou. E gritam vocês em uníssono: Elle (acabei de inventar para mim mesma. Vem de Éle, LP, ou LB, não de Elle Macpherson, aquela viga magra), mas tu, afinal, és canhota? Andaste este tempo todo a esconder-nos essa quantidade de predicados que a tua mão esquerda é capaz de oferecer? Pois que não. Escrevo com a direita (mesmo que seja com lápis de cor), uso a faca à direita (facadas incluídas) e a tesoura também (quando corto a direito por aí afora). Quanto a tudo o resto, designadamente tirar cacos do nariz, ligar os interruptores, coçar a orelha esquerda e tudo o que exija grande coordenação ao nível da motricidade fina, assumo-me completamente bi, pela bilateralidade que é a ambidestria.
Quanto ao manuseamento de ratos e da ratinha, usei sempre a mão esquerda, talvez pelo facto de que quem me iniciou nessas lides ter sido um canhoto empedernido, daqueles que, se perdessem o braço esquerdo, passavam a usar o pé esquerdo para as tarefas manuais. 

O uso das duas mãos é benéfico, e deveria mesmo ser treinado nas escolas, como fazem os americanos, com vista a prevenir situações em que percamos a possibilidade de uso da mão dominante. 
Quer dizer, mais ou menos: ficasse eu hoje sem a minha mão esquerda e, provavelmente, nunca mais me apanhavam por aqui. Ou seja, se a capacidade para usar um lado corresponder à incapacidade para usar o outro, de nada serve o treino da bilateralidade, no caso de se ficar incapacitado do uso de um dos lados. E eu tão incapaz de usar o rato do lado direito, que, se pensar nisso a sério, afinal, não sou nada ambidestra — o que tenho é lados determinados para cada tarefa. 

Pensando bem, não sou assim tão bi — sou homolateral para umas coisas, homolateral para outras, nunca fóbica, mas, no cômputo geral, heterolateral.


15 comentários:

  1. Peço desculpa pela correcção, mas isto não é uma "Pussy"!

    Isto é uma pussy:
    http://worleygig.com/2013/05/24/pink-thing-of-the-day-pink-pussycat/

    Agora que já esclarecemos isto, voltemos à tua ratinha...!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha é uma rata-gata, a forma como escrevi não foi despropositada :D

      Olha, e digo-te: sete anos de idade, e bomba como nova. Nem imaginas a quantidade de ratos que me faleceram na mão, até ela surgir no horizonte.

      :)

      Eliminar
    2. Mudei o título :D

      Eliminar
    3. LOL

      OK, agora está ortograficamente certo, mas eu continuo na minha...

      (tenhas lá tu as razões que entendes... LOL)

      Mas tu matas ratos? Se eu soubesse já te tinha contratado... Tenho dois gatos na quinta da minha mãe, mas os sacanas, ratos, não é com eles...
      ...aliás, um deles, estranhamente, é vegetariano!!!

      (adora figos, que vai buscar directamente à figueira e melão!!!)

      :)

      Eliminar
    4. Não mato nada, sou um caso perdido! :)
      Os ratos de computador é que me faleciam nas mãos, até descobrir esta super-ratinha.

      Ah, gatos e sua independência...
      Chama-lhes parvos :)

      Eliminar
  2. Cor de rosa e tudo... coisa mais linda :P

    ResponderEliminar
  3. É isto a tua ratinha? Isto?!
    Anda um homem num desassossego o dia todo, aguardando a hora de ver a ratinha de Linda Porca e Linda Porca apresenta isto?
    Triste. Muito triste.
    Este blog é um embuste.
    Nada que não se soubesse já.
    Enfim.... Perdoai-lhes, Senhor.

    Fui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vás!
      Mas então... o que é que esperavas?

      Eliminar
    2. Uma ratinha, ora! Tal como prometido.
      (vá lá, que pelo menos não tem pelos...)

      Eliminar
    3. Foi isso que te desassossegou o dia?
      E eu lá fazia semelhante crueldade à bichinha?
      Quanto muito, ainda lhe fazia um vestidinho...

      Eliminar
    4. Sabes tão bem como eu que aquilo é um rato, e que o facto de ser cor de rosa não faz dele uma ratinha.
      Um embuste, portanto!

      Eliminar
    5. Ficaste pelo título do outro post, foi esse o problema. Nas últimas linhas, eu dizia assim: ... vinha aqui contar a história da vida da minha ratinha, que é o rato do meu computador — rato de portátil, e, ainda por cima, cor-de-rosa, é uma ratinha, certo?
      Eu não embusto ninguém...

      Eliminar
    6. Não, não é uma ratinha.
      Ponto.

      Eliminar