17/05/2021

Claro que tinha que fazer a coisa com algum estardalhaço

Já comecei este texto não sei quantas vezes, apaguei de todas elas, mas sinto que é importante divulgar o que aconteceu na minha vida no último mês. O vírus entrou-nos porta adentro, não sabemos se a ordem cronológica foi a do percurso do contágio: começou numa filha e correu a todos, menos a cônjuge, que foi, até ao fim, la pièce de résistance, de tal forma que foi "obrigado" a fazer um teste de imunidade (a Ciência quer perceber como é que alguém convive diariamente com uma chusma de infectados e passa por isso sem mácula), que resultou numa alta percentagem de imunidade, mais ou menos inexplicável: ou teve e não deu por nada (sendo que tinha feito N testes, todos negativos, nas últimas semanas, por contactos directos com infectados vários), ou não teve nem terá. 

Filha — vinte e dois anos — internada ao cabo de dias de febre e tosse, cuidados intensivos após três dias de internamento: oxigénio simples insuficiente, portanto, recurso a oxigénio por alto fluxo e, por prevenção, mais perto do ventilador, caso fosse necessário, o que, felizmente, não aconteceu. Foram três dias em que os nossos corações pararam. Não há visitas, há apenas um telefonema do médico de cada vez que há alguma novidade, as restantes vinte e três horas e cinquenta e nove minutos do dia, é esperar. Mas, calma, há um telefonema por dia — com videochamada — para todos os doentes da UCI que não estão em coma, o que, no caso, era só ela. E os outros não eram velhinhos, que ninguém se iluda. Estava, a título de exemplo, um homem, pai de uma filha bebé. Ao todo, a minha criança esteve internada nove dias.

Não a vi chegar a casa, porque teve alta  no dia em que fui ao hospital, por recomendação do Saúde 24, pensando que ia só ser vista e depois voltava: estava há cinco dias com febre, que não cedia a drogas nem a mezinhas, esparramada na cama e a desgastar-me só para ir fazer um chichi, ao ponto de ter a sensação de ter ido correr os meus sete quilómetros de domingo (só que sem suar), e não me pareceu que melhorasse nada. Afinal, fiquei por lá catorze dias. Sim, foram duas semanas de hospital. Não passei da enfermaria, mas passei as estopinhas, as passinhas do Algarve, o diabo a quatro. Talvez o caruncho derivados da idade explique muita coisa do que se passou naqueles dias, mas a verdade é que nunca nada estava bem. Nos primeiros dias, o tratamento anti-Covid não deu resultados aqui na flor, teve que ser mudada a medicação, e depois protagonizei um episódio épico de sangramento nasal, que me valeu o tratamento mais doloroso que algum dia sofri na vida (tamponamento, não queiram saber. Ter um nariz estreito só piora), depois era o coração aos pulos (pulsação de 130 logo de manhãzinha, quem é desvairada?), depois era o oxigénio que descompensava facilmente, todo um cenário "Se calhar, não é desta que morro, mas ó, se calhar até é". 

Já passou. Estou em casa há uma semana, já tão melhor do que nos primeiros dias que até já fui pintar a melena, já recomecei a trabalhar, mas tudo tão devagarinho que, se me dissessem que ter oitenta anos é isto, eu acreditava piamente. 

Mensagens a reter:

1. Não é porque és jovem que estás livre;

2. A porra da merda do vírus é algo de muito mais sério do que parece. Estimo que não me apareça pela frente um negacionista. Silenciá-lo-ei à dentada e à unhada.



13 comentários:

  1. Solidariedade minha querida Blue, que fiquem todos bem é o meu único desejo.
    Mil beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, minha Be. Vamos ficar, sim. Beijos, querida

      Eliminar
  2. Que susto, terá sido. Que bom que está/estão bem de novo.

    Boa noite LB

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com esta filha, foi o terceiro grande susto na vida. Fico sempre assim, miudinha, sem saber para que lado me virar. Mas, sim, estamos quase em estado óptimo, noname. Obrigada.

      Eliminar
  3. Minha Blue! Minha querida Blue. Apesar de tudo, e não foi pouco, fico muito feliz que tudo tenha terminado "bem".
    (Como é que pode uma mulher enxuta e fresca como você?!? 💙 Um abração, mas devagarinho, para não magoar)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, meu amor de madrinha, está tudo quase esquecido, ou, pelo menos, sarado. (Não sei como pode, querida, já não sei de nada nesta vida. Cá o abração, abraços de minha Flor não magoam nunca)

      Eliminar
  4. Não sei porque razão mas suspeitava que algo de complicado se passava...
    Ainda bem que apesar do susto a mãe e a filha já estão melhor.
    Beijinho para as duas e agora é recuperar calmamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, foi uma época para esquecer, Ana. Mas já vamos no bom caminho, felizmente.
      Obrigada. Beijinhos

      Eliminar
  5. As melhoras.
    Raça do bicho que não dá tréguas.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Magui.
      E não ataca desta forma só os velhinhos, é uma autêntica lotaria.
      Abraço

      Eliminar
  6. Ora caramba, que susto. Espero que estejam a recuperar, e que fiquem bem. Um abraço!
    (quanto aos negacionistas, bof, se já me deixam cheia de nervos, nem imagino a quem tenha passado pela doença ou visto um familiar a sofrer com ela)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos sim, Izzie, obrigada. Mas vamos devagar, o que também não é nada fácil. Abracinho para ti também.
      (Vão sempre dizer que é uma gripe. Uma gripe que já matou mais de três milhões de pessoas, mas uma gripe. Até podem chamar-lhe couve-flor, que, se mata como mata, o nome interessa zero. Sei de um negacionista que, negou até Dezembro e em Janeiro morreu. Já não é negacionista, mas porra, também já não dá para lhe ir dizer "então, não era nada?")

      Eliminar