23/09/2015

Outono

Ser filha é ser mãe ao contrário, andamos sempre do avesso e em palpitações, mas é tão bom que dói :)

Outro dia escrevi isto na Estudante Amarelo, e hoje soprou-me uma aragem, neste Outono que diz que começou hoje, mas foi há um Outono que começou este Outono infindável, que eu não quero que finde, pois a seguir vem o Inverno e esse há-de ser de chuvas dolorosas que só um louco deseja para si. 
Acho-a mais caída, mais longe, mais volátil, mais adeus, a cada vez que a vejo, por me parecer que cada vez a vejo menos. Hoje teimei em ir com ela para o jardim, porque tenho calor ali dentro, e há dias em que preciso de ter frio e não me rir de mim e do calor que sinto. Levava um casaquinho curto, mas que me aconchegava os braços, e sentámo-nos as duas frente a frente, eu de tesoura, lima e verniz, ela de mãos vazias ao abandono, indiferente, até mesmo à aragem que nos soprava às duas para outro lugar e um tempo que se perdeu lá atrás, talvez no Verão. Achei-a com frio, disse-me que sim, vesti-lhe o meu casaquinho e fiquei à brisa, cheia de calor, a abotoar-lho para a aconchegar inteira. 
Ser filha é ser mãe ao contrário. Dá um trabalho a que ninguém dá valor (a não ser a dona Alfreda, que disse "Tem uma filha tão boa", e por um segundo agradeci-lhe mentalmente não me ter chamado neta). Primeiro, tentamos perceber a palmada no dia em que cortámos o nosso próprio cabelo, depois perdemos a paciência para tanto desvelo e preocupação, que nos castra os voos todos, e um dia acordamos a desvelar-nos e a preocupar-nos também.
A brisa dançava à nossa volta, cantavam as folhas nas árvores, quase uma festa de final de Verão — e toda aquela ausência disse-me ao ouvido, baixinho, para não me assustar: "Outono..."


9 comentários:

  1. Tão querido o teu texto... até me veio uma lagriminha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ficou-me a bater aquela tua história das saudades antecipadas :)

      Eliminar
  2. Escrevemos o amor a medo, não vá ser de mais...

    Beijo, querida Linda. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paraliza-nos o coração, sentir assim. E paraliza-nos os dedos...

      Beijo, minha querida :)

      Eliminar
  3. Querida Linda Blue,
    Disse-lhe, em tempos, que gosto do ritmo que imprime às palavras. Digo-lhe, hoje, que me deleito com algumas das suas expressões. Achar alguém "mais adeus" é tão isso.
    Posso sugerir-lhe "sonata de outono" caso ainda não tenha visto?
    Boa noite.
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,
      São muito gentis, as suas palavras. As minhas, saem ao sabor do momento. "Mais adeus" faz parte de um desses momentos, que, apesar de dolorosos, têm que ser vividos.
      Claro que pode sugerir "Sonata de Outono", um dos filmes da vida da minha mãe, e que eu, imperdoavelmente, ainda não vi.
      Obrigada.
      Um beijo de boa noite.
      Linda Blue.

      Eliminar
    2. Sonata aqui, Brazelton ali, 2+2 só não dão 4 se a conta estiver errada... má non troppo.

      Eliminar
    3. Já me caçou na peta dos 84, com tanta matemática ao som de melodias, Outro Ente.

      Eliminar