06/01/2016

Não sei se voltei

Tão estranhas as mulheres: ausentam-se permanecendo, regressam partindo.

Ontem estava assim, azul acinzentado. Acordei cheia de chuva, águas inseparáveis, mágoas maiores. Tolda-me o coração a palavra luto. Luto é a luta, conjugada na primeira pessoa do singular, do verbo lutar. Uma pessoa em luto, luta na primeira pessoa — eu contra eu, eu comigo mesma, numa enxurrada.
Apetecia-me ser invisível, ao ponto de ser apenas um ponto no mapa, assim visto do espaço. Vesti-me de preto e escuro e, à saída de casa, pus a minha gabardine amarelo neon, que se vê no breu da multidão, e eu até podia usar para andar de bicicleta sem reflectores, que até a cem metros me alcançavam, não fora não ter bicicleta para andar. 
Não me aparecia azul-azul, que é o meu tom preferido, em lado nenhum dos meus. Estava tão ciente da necessidade de estrangular as minhas perdas, que lhes acrescentei mais esta. Mais um morto para a minha cruz. Mais um esqueleto para o meu armário — este já vai magro, de tão pouca substância lhe tenho dado. O parvo alimenta-se de porcaria, enquanto lhe dou aquilo que considero filet mignon, que me sai do corpo, mas, sobretudo, da alma. O meu post mais lido de sempre é uma das maiores porcarias que escrevi, o que diz muito de mim. Nem o linko, senão ainda lhe aumento o sucesso. A minha vontade é aniquilá-lo.
No parque de estacionamento improvisado, que é um lamaçal de areia e água suja — uma espécie de praia de Inverno, com mar desfalecido (só mesmo eu, para ver mar naquele lamaçal) —, a mulher que me indica o lugar disse-me, antes de eu lhe dar a moeda:
- Bonita, amiga, hoje, elegante, bom trabalho.
Qualquer coisa me dá alegria, mesmo que seja uma pessoa a quem pago para ser simpática. 
No regresso, chovia água fria, o lenço não lhe protegia a cabeça, e ela queixou-se:
- Não tem chapéu, hoje há chuva.
Vou dar-lhe um guarda-chuva. Dir-me-ão e dir-me-ei: olha lá, é só uma cigana, é só uma romena, é só uma imigrante ilegal, é só uma estrangeira, é só uma estranha. 
Não é. É uma mulher, e apanha demasiada chuva. Não sei se vê azul em alguma das suas horas.



30 comentários:

  1. Espero bem que tenhas voltado...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :)
      (Nem a ir-me embora sou uma pessoa séria :))

      Eliminar
  2. Olha a Linda! És do CDS tá visto. Minha grande maluca!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo. Só se for a praia, aquela da Caparica!

      Eliminar
  3. Bicicleta??
    Tu também???
    Que praga, credo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não. Sou morena, tá?

      Eliminar
  4. Por vezes são essas as pessoas que mais vezes vêem azul ;-)

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser por não terem blog ;)

      Beijos

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Olha que, por ti, ainda sou capaz de repensar... :)

      Eliminar
  6. Muito boa decisão !
    Esta chuva deu cabo de ti !
    Dias difíceis ... :) ;)
    Dia azul acinzentado ... gabardine amarelo neon !
    Neon ?

    https://youtu.be/0fujit59g9I

    Fazes falta , LP /LB !
    Sem ti ,não é a mesma coisa !

    Beijo ,
    José

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És tu que és músico, ou sou eu que te lembro músicas a toda a hora?
      Florescente, néon, vai dar ao mesmo. Vê-se a léguas (submarinas e tudo) :)
      Obrigada, José. Isso é muito gentil.

      Beijos

      Eliminar
    2. Escrevi mal no texto e bem no comentário? Típico :D

      Eliminar
    3. Tb não sei.
      Doravante será neônio ( Ne ) !
      Não ligues, LB .

      :)

      E o " plizzz-plizzz " ?

      Eliminar
  7. Muito boa noite. Toquei e atenderam-me. Que bom !
    Beijinhos,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite, Mia.
      És sempre bem vinda, e tens a porta aberta, mesmo quando não há luz dentro de casa!
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Não te podes ir embora porque se fosses onde é que eu ia sorrir?

    ResponderEliminar
  9. Até ela consegue ver o azul, mesmo tendo muitos dias de luto.
    Pensa que amanhã será melhor.

    É bom ter-te aí.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certamente. Diz quem sabe.

      Obrigada, Ana Paula. Também é muito bom ter-te aqui.

      Eliminar
  10. Bom, hoje vou comentar :)
    Não vás, a chuva baralha-nos o esquema mas vai passar e o sol vai voltar ;))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora bem, acho isso perfeito :)
      Tem que voltar, que isto assim é uma neurite :)

      Eliminar
  11. Para mim, tu és azul néon! Vejo o teu brilho nas tuas palavras, sejam elas uma brincadeira pegada ou um texto profundamente terno, como os que escreves sobre a tua mãe.

    Beijos, muitos, Linda linda. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bonito, Maria Poesia :)

      Beijos para ti, muitos :)

      Eliminar
  12. Ainda bem que foi uma decisão irrevogável!

    ResponderEliminar