03/01/2016

Desadopção

Pergunto-me: que distância estavas disposta a percorrer para tentar sarar uma dor, replantando o teu pé de laranja lima? A resposta é: 720 quilómetros. 
Separavam-me daquela gatinha 360 quilómetros e eu ia buscá-la. Andava há muitos dias a fazer planos, a dar-lhe nome, a sonhá-la pequenina no meu colo. Agora era Molly. Todas as fêmeas mamíferas da minha casa são M, o que já é uma tradição. Imaginámo-la a integrar-se com a Mia, surgiu até a piada de que ela deveria miar "miaue", por vir do norte. Por qualquer motivo que me escapa, quem no-la ia dar, no último momento entregou-a a outra pessoa. 
As coisas são o que têm que ser. Repito-me isto, o que me explica o inexplicável. Nunca acreditei em forças do destino, nos astros, na vontade de um deus ou de vários, na metafísica, em superstições e predestinações, em esoterismos e em quase tudo o que os meus olhos não possam ver, ou os meus sentidos apreender. Acredito apenas que a vida segue uma linha de razão lógica, e é aí que se encontra a explicação para algumas singularidades que nos acontecem.
Tive pena de perdê-la, por, de alguma maneira, já a ter adoptado. 
Fiquei também aliviada, por não poder, neste momento, deparar-me com um desconhecido que pudesse constituir uma desilusão e, sem querer nem ter disso culpa, me amargasse mais os dias. Mas, e sobretudo, por ainda não ter feito aquela arrumação que é precisa, para que a adopção seja plena, e não feita de bocados desorganizados — como ainda estão os quatro hemisférios do meu coração.

10 comentários:

  1. Querida Linda Blue,
    Posso sugerir que se torne "família de acolhimento" de um gato perdido/abandonado? Assim, apadrinha o animal e "apalpa terreno". Qualquer amargura será compensada pelo sentimento bom que resulta de ajudar o felizardo gatito. Até ao dia em que se sinta "arrumada".
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,
      Claro que sim, todas as sugestões que revelam cuidado comigo são bem vindas.
      O problema sou eu, que me afeiçoo. Se acolher um gato, já não conseguirei desacolhê-lo, mesmo que ele seja uma peste.
      Terei que, primeiro, reformatar o coração felino.
      Um beijo,
      Linda Blue.

      Eliminar
  2. Tenho a certeza que irás fazer outro gatito muito feliz, um dia :)
    Leva o teu tempo, a Mel será sempre a Mel, insubstituível, e quando a conseguires recordar sem dor, talvez aí o teu coração esteja realmente pronto para acolher outro, sem nenhum tipo de "se". Nessa altura, tenho a certeza que gato e dona perfeita encontrarão o caminho um para o outro ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também tenho essa certeza, Ratinho. E este é um caminho que terei que percorrer até estar disponível para essa outra adopção. Quero saber o que se passou com a Mel, a ver se, pelo menos isso, me traz alguma calma.
      Obrigada :)

      Eliminar
  3. Mesmo sem a "boa acção" da adopção, que tenhas um ano repleto de "lambidelas" boas, felinas ou não ;)
    Um beijo gigante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Obrigada.
      Um beijo e votos de bom ano

      Eliminar
  4. Tudo leva o seu tempo. Tens de te organizar afectivamente para que outra possa vir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a velha e infalível receita da passagem do tempo...

      Eliminar
  5. Foi pena !
    Era mesmo linda !
    Virá outra !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser que seja uma pestinha :)
      Sim, isso com certeza.

      Eliminar