03/02/2016

E eu que me julgava irreverente

Chego magistralmente atrasada, segundo os meus parâmetros: dez minutos, para mim, são uma imperdoável falha, que me pune e penitencia, e me faz chegar aos sítios toda congestionada e ansiosa, furiosa com a falta de respeito que estou a praticar. O boi pediu-me biberon, aquilo consome mais gasolina do que um Fórmula 1, e isso devorou-me, irreversivelmente, os tais dez minutos da minha perdição.
O botão da porta não reconhece o meu dedo da mão esquerda, porque há-de implicar com tudo o que não seja direito, estabelecido e legal. A alternativa, a contramão e o lado B, talvez por isso mesmo, não sendo obrigatórios, são mal vistos, e, algumas vezes, proibidos. Registei um dedo da mão esquerda no sistema de abertura da porta, e deve ser com isso que ela embirra.
À terceira tentativa — que é sempre de vez —, lá apita a porta, que se abre.
Não está nenhuma das pessoas que vai reunir comigo. Aquela que convocou a reunião chega com uma hora de atraso, senta-se, instala o pc e anuncia que vai tomar um café e fumar um cigarro.
Um homem senta-se à minha frente e pergunta-me se se pode sentar à minha frente. Respondo com um esbugalhar de olhos, e ele insiste na estupidez: "Importas-te que fique a olhar para ti?". Não respondo e continuo a escrever este post. Então ele fala-me no parto dos filhos e no quão lhe custou assistir ao corte entre a vagina e o ânus.
São 11:50 da manhã, a reunião que começava às 10:30 ainda não começou.
Perdi toda a minha irreverência, neste momento.
Não, minto: vou-me embora daqui, porque tudo ultrapassou todas as marcas. Sou demasiado irreverente — e obediente às minhas convicções pré-concebidas.


16 comentários:

  1. Adoro a tua irreverência. E identifico-me com ela. Deve ser por isso que gosto mesmo de ler o teu blog :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Ehh, assim fico mole. Obrigada :)

      Eliminar
  2. Não sei qual é a tua surpresa...
    ...não é sempre assim?!

    LOL

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É. Mas eu teimo em habitar um planeta que não existe :)

      Eliminar
    2. Não é um planeta...
      ...é um país...

      :)

      Eliminar
    3. Mas o país existe, ou, pelo menos, tem existência física. Já o lugar que eu julgo que existe, onde as pessoas cumprem os mínimos, só existe na minha cabeça :)

      Eliminar
  3. Pois...
    ...em teoria somos um país...
    ...mas na prática somos uma espécie de caos semi-organizado! Uma espécie de anarquia democrática!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não consigo adaptar-me a esta cena de marcar as coisas para uma hora, chegar uma hora depois e ainda ir dar um giro, sem qualquer espécie de pedido de desculpas, quanto mais justificação. Se calhar, um dia mudo :)

      Eliminar
    2. ou então deixas de aturar merdas, como eu, e quando alguém marca uma coisa para uma hora é para essa hora. 15 min de atraso ainda são uma tolerância decente, mais do que isso é inaceitável e eu tenho mais que fazer com a minha vida!

      :)

      Eliminar
    3. Neste caso, ainda me aguentei ali um bocadinho, mais uma vez por educação, e para não sair mal assim ela desse início à reunião, mas é óbvio que acabei por ter que a deixar a falar sozinha (ou para os que lá ficaram), porque estes números me custam bastante a papar.

      :)

      Eliminar
  4. Nao consigo. O máximo dos máximos que aguento de desrespeito são 20 minutos. Depois arrumo a tralha e arranco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não costumo esperar tanto tempo como esperei hoje. Esta só me apanhou lá porque nas últimas semanas já a deixei pendurada duas ou três vezes, e ela já anda atravessada comigo - o que é uma forma, como outra qualquer, de inverter os papéis, na qual compactuo. Mas ainda estou relativamente dependente dela. Quando isso acabar, não me vê mais os dentes. A falta de noção cansa-me.

      Eliminar
  5. A razão invocada, por "aquela " que convocou a dita reunião parece-me aceitável !
    Café + cigarro ! :)))
    Agora atrasos ...esquece ! 1 h 20 m ? Como ???
    Cada vez gosto mais de reunir comigo próprio !
    Assim tipo : "tá sogadito pá" !!!
    Mas tb já papei cenas dessas...só que espingardava e tolerâncias dessas (1 h 20 m ) ...nunca ,nunca ,nunca mais !!!

    https://youtu.be/L1mCN9padkE

    Nota : nas reuniões de avaliação ,basta faltar um palhaço para a reunião não poder começar. Irá acabar mais e atrasará todas as posteriores. Comigo não ! Assino a presença na acta ,dou de frosques e haverá remarcação !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre assim com esta pessoa. Isto, quando aparece.
      Um destes dias, salta-me a mola...

      Eliminar
  6. mas a frase a reter no post não é: «Então ele fala-me no parto dos filhos e no quão lhe custou assistir ao corte entre a vagina e o ânus.»?

    eu, deste lado, rio-me, mas calculo a vontade de aplicar umas chapadas correctivas :b

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, eu própria estava a escrever o post, e ele naquela reza :D
      Sabes qual é que foi o meu primeiro pensamento? "Depravado. Vais já direitinho para o blog que te consolas".
      (A sério, o que é que me interessam a vagina e o ânus da mulher dele? :D)

      Eliminar