29/10/2015

The girl next door # 5

Na minha caixa do correio aparecem coisas. Por exemplo, aparecem folhas de plátano, daquelas secas, de Outono, todo o ano. Excluindo a minha casa, posso concluir que existe um, dos restantes 36 fogos (sem chama), onde mora alguém que precisa de me dar um recado qualquer, o qual eu sou completamente incapaz de interpretar — Folhas. Plátano. Secas. — Baralha-me a parte do plátano. Quanto ao resto, até posso tentar perceber. Folha-se para ti também, vizinho.
A última novidade, em termos de mail físico, foi este recadinho da vizinha do 1.º C, cognome com o qual, aliás, se assina. E que começa por Bom dia a todos. Que querido.


Diz-me o instinto, e este faro que raramente me engana e jamais tem dúvidas, que se trata:
1. De uma mamã extremosa — a persistência nos diminutivos denuncia-a: amiguinhos; saquinho; docinho;
2. De alguém que desconhece a anedota do barbeiro e do docinho;
3. De uma pessoa que não adoptou o Acordo — não pode ser tudo mau. Cá cinco, vizinha;
4. No entanto, de alguém que, não tendo adoptado o Acordo, adoptou uma tradição, e fez uma adopção plena — trick or treat? (A ver se não se enganam. Treta ou traque); 
5. De alguém que não sabe que os vizinhos não possuem portas de entrada em casa, no plural, e sim uma única porta cada um;
6. De alguém que pretende promover sorrisos. Digo-lhe que já me promoveu a mim, na criança que me habita a espaços?

Então fui investigar. Eu sou daquelas que crê que las brujas, pero que... e não as quero perto da minha porta, nem que ela esteja cravejadinha de sal grosso e bem varrida. Pela calada da noite, evitando o elevador, desci as escadas e acerquei-me da porta da vizinha do 1.º C. 
E foi isto:


E é isto, o que ela tem, pregado na porta.
Digam-me: posso dormir descansada por mais duas noites, ou devo mudar de prédio?
Bato-lhe à porta e tento o diálogo?
Deixo um caixote de tricks, seja lá o que isso for, do lado de fora da (minha) porta já hoje?
O que a experiência me dita, e que aconteceu nos últimos anos, é que eu compro os doces e não me aparecem diabinhos. Se não compro, tenho a porta num desassossego toda a noite. Foi assim nos últimos oito anos, ano sim, ano não. Nos anos em que não apareceu nenhum miúdo embruxado, fiquei com os doces, e, só para não se estragarem, que até é pecado, foram anos de engorda. 
Prefiro que venham. 
Venham a nós as bruxinhas. 
(Eu dou-lhes os tricks.)

28 comentários:

  1. É impressão minha ou há pessoas que pensam que são centro do mundo, do prédio, vá...?
    Eu também lhes dava os "tricks" antes que me desse um treco :)

    Um beijinho, querida Blue :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sim, Miss Smile. E que são os mesmos que, quando se cruzam connosco à entrada, são incapazes de responder a um bom dia, quanto mais a tomar essa iniciativa.
      Hahaha, um treco :) Esse sim, é o trocadilho perfeito!

      Um beijinho, minha querida.
      Um dia feliz.

      Eliminar
  2. A minha caixa de correio costuma ser profícua em sustos, nomeadamente contas, publicidade e aranhas... ah, e uma vez por outra, uns recadinhos de uma vizinha "só para informar que as 3 pintas de tinta que tem na sua varanda são da responsabilidade da vizinha do lado e não da de cima, que eu bem vi o pintor".
    Pensando melhor, e dado que nem eu me apercebi das ditas pintas, esta última talvez seja a mais assustadora, e eu sou uma pessoa que tem pavor de aranhas ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adopta um gatinho preto, que te acaba com tudo o que é insecto dentro de casa, e desembruxa-te desse tipo de vizinhas :)
      (Aracnofóbica, portanto. Eu bem digo que sou bafejada :))

      Eliminar
    2. Com o tamanho das que aparecem por lá, nem o gato se aproximava... é verdade, aproveitando os vossos excelentes trocadilhos, aranhas são coisa para me dar um treco (e só não traques, porque sou uma senhora ;))
      (depois de ver a porta da tua vizinha, votava na última opção... a abordagem das feras, deixas os doces e recuas, devagarinho, devagarinho, nunca virando as costas)

      Eliminar
    3. Tu vives em África, ratinho? Vê lá se não são tarântulas... :)
      (Aí vão duas, a mim também só me sai ar por cima :))
      (Até lhe meto mas é os docinhos com recurso a um pau, para manter a distância devida)

      Eliminar
  3. Aqui para os meus lados, ainda há (era mais quando ainda me obrigavam a usar meias de renda até ao joelho) a tradição de "pedir os bolinhos". As diferenças em relação ao Halloween é que se faz no dia de todos os santos, 1 de Novembro e pela manhã. As crianças levam (eu levava!!) o seu melhor fato. Não há cá "trick or treat", a lengalenga é "bolinhos, bolinhos à porta dos santinhos". Saco de pano e tudo misturado lá dentro, chocolates, rebuçados, bolos e romãs, com sorte umas moedas.
    Sei de muitos locais onde a tradição se mantém. Eu não acho particular graça porque os putos começam a tocar-me à porta pelas 7 da matina. Talvez preferisse um vizinho que ousasse desafiar-me com um esqueleto, deixar-lhe-ia uma vassoura com um bilhete a dizer "para varreres ou voares!!"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era o "pão por Deus", mas uma tradição nossa, já muito antiga, que só coincide no Halloween na proximidade das datas e no bater às portas.
      A minha vizinha deve ter um parafuso a menos. Mas depois "o maluco sou eu".

      Eliminar
    2. O pão por Deus já eu o pedi também. Enfim, quando ainda acreditava em fadas e no pai natal. A última vez que estive a morar num local com criançada nas vizinhanças comprei um "porradão" de gomas. Apareceram poucas e no dia seguinte foi uma satisfação para mim! :-P

      Beijos

      Eliminar
    3. E já não acreditas? Olha, eu ainda...
      É o que eu digo: ano de engorda, quando não aparecem :)

      Beijos

      Eliminar
    4. Se calhar ainda compro amanhã...e rezo para não aparecer ninguém :-P
      Sou um descrente...já acredito em pouco...

      Eliminar
    5. Faz isso, mas põe as rezas de parte, para não misturares estações e o diabo (ups) não as tecer...

      Eliminar
  4. Nota: esta tradição, não é "adoptada". Vem do século XIV e nasceu na Europa, sendo depois abandonada e posteriormente "ressuscitada na América.

    Cuidado!

    (pumbaaaaaaaaaaaaaa! Cultura geral, assim, sem pão, sem nada!! Não tens que agradecer!! :p )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foste à netty, esgrouviado?

      Puxa, já tenho a vassoura à porta, just in case.

      (Vou dar o teu mail à vizinha, que quem escreveu que adoptou a tradição foi ela :P)

      Eliminar
    2. Nop... infelizmente, ou não, aprendi isso hoje, em local próprio, logo de manhãzinha!
      Ia à Net só para comentar um poster teu!! ...deves-te achar... :p

      Eliminar
    3. Ai, carraio, que só me saem brutos :P
      (But wait: "local próprio"?)

      Eliminar
    4. Próprio... impróprio... tem dias!! :p

      Eliminar
  5. Querida Linda Blue,
    Este post está tão divertido. Um verdadeiro treat que já me fez sorrir.
    Bom dia,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,
      Pelos vistos, não tenho que fazer um esforço tão grande quanto o da minha vizinha, para promover sorrisos. Obrigada.
      Um dia feliz,
      Linda Blue.

      Eliminar
  6. Folhas de plátano secas ?
    No correio ?
    Eheheh ! ..." Baralha-me a parte do plátano. "...só ?
    Só admiro a tua calma !
    Esqueletos pendurados na porta ?
    Só vejo uma solução :
    Spray Bala ! E uns borrifos de H2O.

    http://netclassicos.com/lojaredex/image/cache/data/3balas-500x500.jpg

    Junto da porta do 1º C e corredor de acesso. Nada de poupança no produto ,não há tempo para isso ! Abundantemente !!!
    Óleo - escorregadela - queda - gritos de dor - ecos vários - 112 - tinonin - L 4 e 5 com fratura - DESCANSO !!!

    Nota : Essa de desconhecer a anedota do barbeiro e do docinho ...já somos dois ,eu e a vizinha do 1º C.
    Conta lá . ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo.
      Credo.
      Nota: É um bocado ordinária, não sei se consigo... talvez com vários pedidos... :) (Credo!)

      Eliminar
  7. Tens noção que a vizinha, muito provavelmente, leu isto, não tens?

    (a menina entretanto cresceu e agora tem enormes seios!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso, nem por isso... mas, se leu, pode ser que retire de lá o esqueleto. Ou que vá buscar os outros ao armário. Cruzes.

      (ó ié! Não é divina? Não há vez que a conte que não chore a rir!)

      Eliminar
  8. Já sei a do barbeiro e do docinho !
    :)


    ResponderEliminar
  9. No meu prédio n costumam aparecer, mas se me tocam à campainha e acordam o puto temos o caldo entornado. :p

    ResponderEliminar