12/10/2015

Diz-me o que sonhas, dir-te-ei quem és # 2

Vinha o rapaz a entrar em casa, a cheirar o pescoço à Marta, a bela angolana, campeã de todos os cestos, que lhe calhou na turma este ano e lhe encestou o coração em triplo directo lançado de trás da linha de meio campo.
E eu feliz, 
Ai filha, que alegria, dá cá beijinho, estou tão contente.
Sentada na minha sala, a Marta cruza a perna e mostra uma sandália de saltinho meio altinho, em plástico cor-de-rosa, com brilhantes,
Ai filha, que lindos sapatos...
Mas eu a achar mesmo, de feliz que estava, até cintilava pelos brilhantinhos afora.
Diz-me a Marta, num sorriso condescendente, que
Não são sapatos, são sandálias,
e eu,
Ah, que bonitas que são as tuas sandálias, Marta!
Então, ela exibe o calcanhar da sandália bonita e eu vejo uma meia grossa, azul escura, de malha de tranças, a brotar do calcanhar.
E dá-se o horror, que é aquele momento em que, diante de uma pessoa amada, qualquer coisa nela nos grita turn off!, enquanto lutamos contra os nossos pequenos preconceitos — convenhamos, sandálias com meias já não era admissível antes da Maddie Mccann, quanto mais meias por baixo de sandálias de Barbie —, com a espada, que consideramos implacável, de todo o nosso amor.
Acordei aliviada por acordar. Se há coisa que tenho como certo, é que, haja o que houver entre o meu principezinho e a bela Marta, ela nunca, por nunca, usaria umas sandálias assim, menos ainda com meias. Azuis. Grossas. De malha — de tranças. 


(É que é tudo em mau, requintado de malvadez. Não podiam ser brancas, turcas, de atleta, de basquete? Não. Eu nunca sonho. Só pesadelo. Possuo, desde sempre, e para todo o sempre, uma absoluta incapacidade para sonhar.)


8 comentários:

  1. Tive, uma vez, um sonho semelhante, mas com um candidato a namorado. Estava lindo no sonho, de fato escuro e camisa branca, mas quando se sentou, cruzando a perna, e eu lhe vi o "tornozelo de gesso", o belo sonho transformou-se em pesadelo. Quando acordei, suspirei, aliviada. Afinal, tudo não passara de um sonho mau, e o candidato a namorado continuava a ser perfeito :)

    Um beijinho, Linda :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miss Smile, eu não sei o que é que será mais "doloroso", se um candidato ao nosso coração, ou uma candidata ao coração do nosso maior amor mais pequenino :)
      Felizmente, tanto a sua como a minha histórias acabaram bem!

      Um beijinho, um dia feliz :)

      Eliminar
  2. Devia haver uma entidade reguladora no que diz respeito a usar meias e sandálias. E depois foi só um episódio onírico, passa que é um instante!
    Boa semana,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma polícia dos costumes, verdadeiramente implacável!
      Fica o mini-trauma, logo à noite esquecido.
      Boa semana, Mia.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Continuo a preferir os meus sonhos: http://jedimasteratomic.blogspot.pt/2015/09/sonho-meu-sonho-meu-ha-alguem-mais.html

    :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que já realizei aquele teu sonho maluco, não sabes? (Só não entrámos pelo túnel, de resto...)

      :P

      Eliminar
    2. Sim, mas entranto já tive outro, em que o elevador começou a descer bue rapido e depois chegou ao R/C e começou a andar na horizontal pelo carril, que entretanto tinha sido construído. E após uns 500m de andar nesse carril parou contra uma parede :P

      Eliminar
    3. Quando tudo te grita "Vai pelas escadas e evita os eléctricos!", o que é que tu fazes? Hã? Pois. Metes-te no elevador.
      Ou andarás fora do trilho?
      Dra. Freuda cheia de dúvidas :P

      Eliminar