21/07/2015

Lisboa também é água boa



Vende a EPAL, que, como se sabe, é uma empresa que só existe em Lisboa — caso contrário, seria EPAP, EPAF, ou EPAS —, estas garrafinhas bonitíssimas, para que possamos, nós, habitantes da capital, guardar a água quase benta que ingerimos diariamente, e também usamos para nos lavarmos e às coisas, o que inclui as leguminosas. A mim ninguém ma deu, tive que a ir comprar ao Museu da Água, que foi um transtorno: aquilo fica lá ao alto de uma escadaria com cerca de dez degraus, uma coisa a pique, que só me deu para oferecer em sacrifício pela saúde dos meus. Lá chegada ao cume, diz-me o funcionário que não têm multibanco, ia-me acontecendo um coiso, porque ando sempre sem dinheiro por ser pelintra, mas fiz o ar mais perturbado mentalmente que encontrei e chorei-me que, por questões de segurança, só trago comigo os meus cartões de crédito (que, na verdade, são de débito), enquanto procurava moedas no fundo da mala (caríssima), e só me saíam pacotes de açúcar rebentados e programas rançosos de espectáculos que eu acho que nunca vi. Bem me gemi que me faltavam dez cêntimos para perfazer a p. da quantia astronómica que custa a p. da garrafa belíssima (uns doidos 150 cêntimos), mas o homem era de pedra, deve ter sido requisitado da Catedral de Notre Dame, onde fazia escala de gárgula, e nada de se comover. Nem me apeteceu bater pestanas àquele e colocar a voz no timbre jantes-de-liga-leve, que ele havia de me perdoar a m. dos dez cêntimos e ainda me pagava a p. da garrafa, porque estava tão suada que qualquer tentativa de sedução com vista ao perdão de uns míseros dez cêntimos seria, no mínimo, um espectáculo burlesco de bas fond, com a angustiante possibilidade de se me derreter a maquilhagem das pestanas cara abaixo, a que resolvi poupá-lo. Vai daí pergunto por um multibanco, e diz-me ele É já ali em baixo, no Pingo Doce. Em baixo, ele queria dizer descer as escadas da pirâmide do México (quais Egipto, quais carapuça, zanguei-me com o Egipto desde que o Acordo Ortográfico entrou em vigor) onde aquilo fica, mais uns degraus até à rua, tudo somado ia bem aos vinte degraus, ai a minha vida, diz que para baixo todos os santos ajudam, é mas é o genital, isso disse alguém que nunca se meteu nuns saltos altos. Mas tá-bem, aqui vai disto. Corri risco de vida — isto anda a acontecer-me amiúde, nas últimas horas —, mas lá me pus no PD (hahaha, pédé), levantei uma miséria, e upa-upa, sempre a subir as escadarias até à masmorra do sovina dos dez cêntimos, parece mentira, fazer uma senhora desta idade, em pleno processo de auto-destilação, andar de Romas para Catalomas por causa de um décimo de euro, parecia uma tragédia grega, de tão trágico que foi, e passo o pleonasmo, de passada que já ia, nomeadamente da validade. 
Tenho um amigo que é da Covilhã e diz que nós, cá em Lisboa, bebemos o mijo dele (palavras dele, eu não uso mijo), porque a barragem de Castelo do Bode é abastecida pelo rio Zêzere, e então, num intrincado de ideias inquinadas de amoníaco da urina, afirma aquilo assim. Com amigos destes, lá está, bem posso pôr as barbas de molho.

12 comentários:

  1. Já eu acho caríssimo: 2.506 Won da Coreia do Sul -- sim, moeda de país próspero -- por tal garrafa parece-me prova de que essa EPAL está a abusar da generosidade dos gentis cidadãos de Lisboa. A ver se a EPAS (a de Seoul) explora assim os igualmente gentis seoulenses (deve ser assim que se diz): não creio!

    Boa noite Linde Blue :)


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) É verdade. A garrafinha devia servir-me para guardar ouro líquido. Se lhe somar o parquímetro no (apesar de belíssimo) Jardim das Amoreiras, a gasolina até lá, e todos os sacrifícios e aborrecimentos a que ela me levou (danos morais, tudo conta), mais vale metê-la no cofre de um banco (sul-coreano, seja), e esquecer que ela existe.

      Boa noite, Xilre :)

      Eliminar
  2. Bom dia Linda Blue, eu cá, pelintra assumidíssima, que igualmente costuma trazer a carteira sem trocos e com cartões de 'crédito', mais conhecidos por débito... se tivesse de descer a longa e penosa escadaria e mais alguns, nomeadamente para entrar num PD (pédé, é muuuuito bom), dirigia-me ao MB sacava um dinheirito, entava no dito pédé e comprava uma garrafa, sem o mijo (eu também não digo mijo,OK?) do teu amigo, por 16 cêntimos e emborcava-a toda! Cá fazer uma lady sofrer, escada acima, escada abaixo por uma garrafa de aguinha da torneira...
    Titá Negrão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Titá!
      Ainda por cima, a garrafinha vem vazia. Supostamente, é feita de um plástico que conserva melhor a água da torneira.
      Na realidade, é feita por alguém que tem uma fábrica de plásticos e conseguiu esta parceria. E é consumida por tolas como eu, que acham um piadãããão à garrafa :D
      Foi um martírio, raio das escadas. Se lá voltar, vou descalça, levo umas velas na mão, mas também fotografo os degraus. Não vá alguém achar que exagerei :)

      Eliminar
  3. O funcionário andou a divertir-se. Existe um multibanco do outro lado da Rua das Amoreiras, no Ginásio Clube Português :-P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem tanto, porque a porta do museu é perpendicular à rua das Amoreiras, pelo que foi mesmo só descer as escadas até à rua onde fica o PD :) (paralela à rua das Amoreiras).

      Eliminar
  4. Querida Linda Blue,
    Este post tem tantas imagens boas, que é preciso relê-lo. Para mim, a voz no timbre jantes-de-liga leve leva a palma. E, o zangar-se com o Egito, a gargalhada.
    Bom dia,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,
      O homem era uma gárgula, daquelas que inspiram (ou desinspiram) tudo o resto.
      Obrigada pelas suas palavras.
      Um dia feliz,
      Linda Blue.

      Eliminar
  5. Não é verdade que a EPAL seja só Lisboa. Ela é Castelo do Bode, Alviela e tudo por aí abaixo até às torneiras dos consumidores.
    Dito isto, seria bom que falasses com o teu amigo e lhe dissesses que não deve dizer disparates. Porque ele, ou é mal intencionado ou é ignorante. A água, uma vez elevada do local onde se encontra, passa por diversas fases de tratamento, até à torneira final. Daí que água que servida 'na casa de cada um' tenha um ligeiro mas desagradável paladar, embora inócuo. Como complemento e porque tu mereces, deixo a indicação de que o mesmo não acontece ao precioso líquido que é trazido do Alviela.
    Quanto às garrafas, temos que agradecer ao factor marketing, implementado a partir do momento em que a EPAL 'se transformou' em duas. A que dá lucro, menos trabalhosa logo mais rentável, e a outra, a que tem um muito maior índice de trabalho, logo menos rentável.
    São uns espertos, estes publicitários.
    Outra coisa, o Museu da Água tem multibanco. Se não o disponibilizaram, erraram. Talvez porque porque os 'doidos 150 cêntimos' menos taxas SIB, não justificava, para ele, a operação.
    Escadas? Compara-as com as da AR e depois diz-me qualquer coisa. Já sei, vais dizer-me que não utilizas estas últimas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Consegui reter ´mal intencionado´e 'ignorante´. O resto ia-se-me varrendo tudo.
      Mas ainda me resta a matemática: eram 150 cêntimos vezes 6, porque me predispunha a trazer seis garrafas.
      E tu, utilizas as escadas do Parlamento? Olha, eu, nem para as manifestações (exteriores de pobreza), quanto mais para peregrinações.

      Eliminar
  6. És bem tola (para não te chamar outra coisa).
    Ias ao PD e compravas uma garrafa de água, e ainda te sobrava troco para ir à mercearia e comprar lá daqueles legumes (ou lá o que isso é), a 69 o quilo.

    (e fui!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chama lá outra coisa, chama...
      Esta garrafa é especial. A água não fica quente, ou morna, ou choca, ou com cuspanga. É todo um novo mundo que se me abre.
      Falas dos meus pipinos? Isso está a 69 ao quilo, mas são cêntimos.

      (volta!)

      Eliminar