17/03/2016

O ouro acorda os mortos

Sei lá, achei este título giro. Parece de livro, contém mistério e atrai freguesia. 
Isto vem ainda a propósito do meu euromilhões que, parecendo que não, é um assunto.
Existe uma papelaria, na minha área de residência, cujos donos, um casal do qual não sei definir a idade — têm a mesma desde que eu por cá moro, já passou de vinte anos, pelo que penso que são vampiros —, trabalham ao balcão, com a ajuda, creio que remunerada, de uma empregada, que, assim como eles, também nunca mudou de idade, ou seja, que tem iguais probabilidades de ser, também ela, uma vampira. (Espero que eles tenham exactamente a mesma opinião que eu tenho sobre eles acerca de mim.) O caso é mais grave no caso da rapariga (mulher?), tendo em conta que, nestes últimos vinte e picos anos, casou, teve uma filha, a filha cresceu, e ela sempre assim, azeda e fria, o que confere com algumas regras da conservação dos corpos, pelo menos quanto às baixas temperaturas, já não digo quanto à acidez. Em relação ao casal, vejo-os de meia idade há décadas, ele totalmente morto — vagaroso, lento, parado, surdo — à vista de toda a gente menos da mulher, que o trata por "ó amor", ou será só à minha vista e ele, afinal, não é um vampiro, ou há vampiros que morrem mesmo e mantêm-se por cá pela Terra, por cá pelo bairro? Ela, de uma antipatia comovente, estimulante, rejuvenescedora. (Pode ser por lá ir com alguma frequência lidar com a Antipática que eu própria me mantenho com a aparência de uma criança pequena.) 
Portanto, de cada vez que vou registar o meu euromilhões, tenho o trio do Morto, da Antipática e da Azeda para enfrentar.
Dá-se que, na sexta-feira que passou, obtive um preminho no jogo. Escusais de vir cá com cunhas e gemidos, que já o gastei todo. Eu sou assim, esta mãos largas (e as costas também, mas para outras ocasiões), e acabo doando tudo o que possuo, ou quase tudo. Doo às lojas, doo aos romenos que me extorquem no parque de estacionamento, doo à EMEL, aquela empresa, doo, enfim, até que a bolsa me doa, e não é a de valores, pois que a minha anda sempre em desvalorização (quanto mais não seja porque a gata ma arranha).


Bom.
Merecedora de uma entrada em ombros (não confundir com carga de ombros), mas sem voluntários à altura (da ombreira), fui alevantar o meu prémio, e, por isso, adentrei-me, triunfante e impante, anunciando ao balcão:
- Venho aqui levantar o meu prémio. 
Este foi o momento em que tive a certeza de ter acordado o senhor Morto. Vi-o dar um pulinho vertical (podia ser para a frente, tá?), remelgar-me muito o olhar mortiço (não sei se deva continuar a utilizar palavras da mesma triste família), e exclamar:
- AH!
Era mais um movimento da parte dele, e era eu a gritar "Milagre! Deu-se um milagre! Sou santa!", mesmo que a cara me denuncie constantemente o contrário, não sei porquê. Mas atalhei, e esclareci:
- Ainda não é o primeiro.
Mas Morto estava ressuscitado da letargia, e quis entabular:
- Já vai no bom caminho...
E eu, que nunca me consigo calar a tempo de não me auto-sentenciar de morte (cruzes!), não resisti a desacordar mais o homem, e saí da papelaria, assinando uma daquelas promessas-leva-as-o-vento, diante de várias testemunhas (de entre as quais a Antipática e a Azeda):
- Fique descansado que, quando eu ganhar o euromilhões, também me lembro do Senhor.
(A linguagem verbal não tem maiúsculas. O Senhor.)
Fique descansado.


4 comentários:

  1. Do teu texto descobri o elixir da juventude. Basta ser mortiço, apático e antipático e temos a solução para as rugas resolvida. Até porque tem lógica... não fazes expressões faciais, não vincas, não fazes rugas :D. Tenho de ir patentear esta descoberta!
    Mas olhas, eu acho que o senhor tem um fraquinho por ti... se é tão apático e tu conseguiste arrancar-lhe um AH... acho que há romance por aí.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu própria, ando a treinar para morta, antipática e azeda, mas não anda a resultar muito bem (também sou sempre a primeira a perder ao jogo do sério).
      Não tem fraquinho nenhum, o homem faleceu há décadas! Credo!

      Eliminar
  2. LOL

    Todos os anos, ao comprar os livros escolares, vou a uma papelaria que é das poucas que têm absolutamente tudo!
    O dono e único empregado da papelaria, é um tipo nos cinquenta...
    ...mas já deve ter cinquenta há uns trinta anos, quando comprou a papelaria, porque o raio do homem está sempre na mesma!
    Curiosamente esse tipo, quando eu era puto, vivia no mesmo prédio que eu e é por isso que sei que ele está nos cinquenta, visto que era uns cinco ou seis anos mais velho do que eu!
    Portanto, se eu tinha 3-4 anos, ele tinha certamente uns 8-9...
    ...no entanto, já parecia ter cinquenta...
    ...na cabeça!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se falas do mesmo que eu estou a imaginar, confere: o homem não muda de idade. E também é azedo. Mas tem, seguramente, 65 ou 70. Há décadas!

      :)

      Eliminar