24/06/2015

Post escatológico, não: flatulento

Eu, que não corro, soube há escassos que, quem o faz, e quando o faz, o faz com pompa e circunstância, ou seja, que se flata com maior ou menor frequência, com mais ou menos intensidade e estrépito. 

Quem corre, bufa-se. Isto podia ser um ditado popular. Como aquele de quem tem cu, sabem?

Não posso dizer que tenha ficado chocada, pois a minha capacidade de aceitação do próximo (desde que não esteja assim tão próximo quando se abre) e a extensão da minha abnegação quanto ao meu bem-estar, não conhecem limites, e nem o céu é um deles — o mesmo que eu espero não me esteja reservado, pois não tenho espírito, ainda menos o vou ter depois da finação, para as harpas e os violinos e os anjinhos, a encherem-me a cabeça de trovas antigas, saudades loucas, andam cantigas a bailar de boca em boca — agora já não sei o que é que ia dizer a seguir, mas tenho que pôr uma porra qualquer depois do traço que não é underscore.

Pá, pus-me a pensar no povo que corre em grupinhos de quatro ou cinco. E, mentalmente, lamentei a sorte dos desgraçados que vão atrás. Pus também a hipótese de o vento lhes estar de feição e, aí, senti comiseração pelos atletas da frente. Ser um dianteiro pode não ser uma boa ideia, sobretudo se o vento está a nosso desfavor. E, reparem, isto que acabo de escrever, também podia ser um mantra, ou assim.

Depois lembrei-me dos maratonistas, ali cinquenta quilómetros a bombar, ora lameirinhos, ora estampidos, ora molhengas, mas sempre ora, trau-trau-trau, cinquenta mil metros, vá que seja um flato por cada mil, vai dar uma bela média de cinquenta pumbas por corrida, ai que não é de subestimar. Já imaginaram a concentração de gás metano* que fica na atmosfera, designadamente ao longo do percurso de uma maratona, só à custa da produção natural nalgueira? Eu só pasmo com estas descobertas caseiras que vou fazendo, puramente dimanadas de algum raciocínio, mas também de um nico de imaginação fértil, modéstia — sei lá o que isso é — à parte. 

Parei de fazer imagens mentais aliadas à relação run-Forrest-run-and-fart-Forrest-fart, quando me lembrei daquelas maratonas que agora se fazem, por tudo e por nada, corre contra o cancro, corre contra os animais, corre contra a seca na Austrália, que, depois aparecem nas revistas del corazon, sabeis? Elas todas muito tonificadas-tony e eles todos muito depilados-depil, Jesus, só de imaginar que acabaram de esvaziar a lata enquanto davam corda aos Nike-Air-Max-Ultra-Breath-Rosh-Run, dá-me cá uma dor de barriga, mas vá, acreditem, é mesmo só de rir, que eu sou assim, parva, rio-me dos nervos. Mas, por outro lado, não sei se já disse (vezes suficientes), sou uma senhora, e as senhoras não fazem essas coisas. Deve ser por isso que não corro.

No run, no fun, no fart. 

Pum.

~

* Ó a wikiseca, quase a dar-me razão: 
Quanto às fontes alternativas, um método para a obtenção de metano é via biogás, gerado pela fermentação de matéria orgânica, incluindo esterco, esgoto, lixo urbano e outros estoques [estoques. Estes gajos...] de material biodegradável, em condições anaeróbicas. Significantes quantidades de metano também são produzidas por gado – não pela flatulência, como é erroneamente dito, mas 50% é produzido no processo de ruminação. A pecuária em geral (principalmente bois, galinhas e porcos) produz 37% de toda a emissão antropogênica de metano. 


12 comentários:

  1. A mim quer-me parecer que não é só a correr que a malta se abre. Lembras-te daquele post em que juravas que a senhora na elíptica ao lado da tua se tinha borrado toda? Ontem alguém ao meu lado na aula de Zumba teve igual sorte. A culpa foi do professor, que trouxe uma coreografia nova e abusou dos agachamentos. (eu tento ficar sempre na fila da frente quando suspeito que vamos fazer agachamentos. Só assim, por via das dúvidas, sabes?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei, pois.
      Outro dia, foi numa sardinhada. A que estava ao meu lado, deu-lhe para ali. E estávamos sentadas...

      Eliminar
  2. Eu vou deixar de te ler quando estiver com outras pessoas por perto!!! É que os relatórios que estou (supostamente) a analisar não podem fazer-me rir como os teus textos! :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas reparaste que não escrevi a palavra peido vez nenhuma? Eu, quando quero, sou mesmo uma senhora :D

      Eliminar
  3. Ehehe É por isso que meia blogosfera anda nas "Run Party"... (Deixo a tua imaginação trabalhar)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, viste como chegaste lá depressa, e nem tiveste que correr? :D

      Eliminar
  4. Eheheheheheh! Vou ver se corro, um dia destes, só para testar a teoria!

    Beijocas, LP. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não leves contigo alguém de cerimónia, à cautela! :D

      Beijinhos, Maria :)

      Eliminar
  5. Anónimo25/6/15

    ó LP, olha que isso são boatos, as probabilidades de tal fenómeno acontecer em corrida são iguais às de acontecer a andar, "a fazer o amor",a ler um livro ou ver televisão, etc e tal. Sei do que falo, corro cerca de 40 Km por semana divididos por 3 ou 4 treinos, Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou és uma senhora :)
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Anónimo25/6/15

      Não sou, isso garanto-te ;)

      Eliminar
    3. Um cavalheiro, OK ;)

      Eliminar