15/06/2015

A espada do Afonso Henriques

Eu tenho o trabalho mais chato e mais comprido que conheço, só equiparável à espada do Afonso Henriques, aquele rei, o nosso inaugural, gigantíssimo, com a mania das grandezas, que, não fora a que o pôs no mundo e depois dele levou tareia, hoje não seríamos hoje e eu não estaria aqui a teclar nesta bela língua, mas sim em castelhano, por supuesto. A mim ninguém me garante que não estaria a fazer exactamente o mesmo trabalho, mas em português da Castela, claro como as claras bem batidas, mas igualmente chato e comprido, como outra porra qualquer que não a chata (já disse?) da espada afonsina. 
Diz que ele era gigante, parece que provado cientificamente, que só alguém que sofria de gigantismo podia empunhar uma espada, toda em ferro, com dezoito quilos de peso, e mais: brami-la, que lá içar um ferro de dezoito quilos, qualquer lingrinhas faz, agora lá manuseá-lo e dar com ele na tola dos amigos da mãe, é que não é para todos. Grande Afonso.
E eu hoje estou afonsina, tenho para aqui um espadão para bramir, colossal e pesado, que pesadelo, muito acima das minhas forças, logo eu, que sou tão lingrinhas, mesmo não sendo. 
A sério que não percebo como é que não nasci princesa, se foi para princesa que nasci. Não teria que passar este cabo de trabalhos e de tormentas, raio da vocação ultramarina, que só nos dá para a coragem para enfrentar adamastores. Eu sou uma dama, ora caramba. Havia de bordar e pintar todo o dia, escrever cartas de amor ridículas, suspirar e tocar piano, que foi para isso que fui fadada, que fado o meu. 
Estou farta de ser plebe, ralé, classe trabalhadora, para ganhar o pão, que nem para uma côdea me dá. 
E não, não tem nada a ver com o facto de ser segunda-feira, que de há umas semanas para cá e nas próximas, nem distingo os sábados das terças, quanto mais as segundas das primeiras. Estou nas últimas.
E estou a ficar chata, como o meu trabalho.
E comprida, já disse?
Vou fazer uns alongamentos, a ver se isto melhora. 


18 comentários:

  1. Ocorreu-me, assim de repente, se haverá relação entre o nosso fundador ter compleição de estivador e todo o destino da pátria por ele criada. Não sei se aos grandes pensadores sobre estes temas: Fernando Pessoa, Agostinho da Silva, Ricardo Araújo Pereira, terá alguma vez surgido tal ideia. O Quinto Império talvez tenha nascido, de facto, lá pelos lados de Guimarães.

    Bom dia LP :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por esse prisma, nunca tinha olhado o brutamontes, Xilre.
      Certo, certinho, é que nós não seríamos nós, se a Teresa leonina não o tivesse gerado assim gigante e não lhe tivesse provocado a ira quase matricida. No fundo, a ela devemos a nacionalidade.
      Não tendo surgido aos grandes pensadores, surja-nos a nós, enquanto tais. Por que não?

      Um dia feliz, Xilre :)

      Eliminar
    2. Ao João Cutileiro passou certamente pela ideia. :)

      Boa tarde, LP e X

      Eliminar
    3. Mas a ver se o Cutileiro agarrou o cutelo (passe o pleonasmo) que esculpiu — e que há-de pesar mais de 18 quilos, pela certíssima — e o bramiu. Nada, ficou ali, de pedra (passe a redundância) e cal, agarrado às raízes na nacionalidade :)

      Tarde feliz, JM

      Eliminar
  2. A uma espada não se exige comprimento mas sim eficácia ;-)
    Boa semana, ó tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquela era comprida, assim reza a História :)
      Para ti também, mas ó: não fumo!

      Eliminar
    2. Há quantos anos não ouvia : " ó tu que fumas " !
      Um tratado !

      Eliminar
    3. O meu pai chamava-me assim, na época em que eu fumava :)
      E eu ficava a deitar fumo pela cabeça, literalmente.

      Eliminar
  3. Variadas as dimensões de montantes ... ;)
    Vi num programa histórico ( após identificado o esqueleto e confirmado o ADN ) , onde foi confirmado que o D.Afonso Henriques era um grande lingrinhas ( e com enormes problemas de saúde a nível ósseo ).
    Montantes...para inglês ver...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, então, de duas, uma: ou a espada pesava 18 gramas, ou ele teria outras valências, em grande. Porque, se lingrinhas, bramia o espadão dos 18 quilos, nem quero imaginar as passinhas de Guimarães que há-de ter passado a mna. Mafalda em seu leito conjugal.

      Eliminar
  4. ..." "Não me admira que, depois da morte, o considerassem um grande homem, no sentido moral, e que essa qualificação tivesse passado para uma ideia física. O fundador da nacionalidade tinha de ser um homem grande. Devia ser um homem de grande vitalidade, pelas crónicas. Dirigia os combates em pessoa", diz Mattoso. "Vai ser interessante comparar essa ideia com os resultados dos exames antropológicos sobre toda a compleição física." ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se já dissecaste a palavra historiador, alguma vez, na tua vida... :)

      Eliminar
  5. Historiador ?
    E ainda ...

    Cientistas vão abrir hoje em Coimbra o túmulo do primeiro rei de Portugal

    VÁRIAS ESPECULAÇÕES SOBRE ESTATURA DE D. AFONSO HENRIQUES

    Cientistas vão abrir hoje em Coimbra o túmulo do primeiro rei de Portugal
    TERESA FIRMINO 06/07/2006

    ..."Por trás da abertura do túmulo está um projecto científico com o objectivo de reconstituir o perfil biológico de D. Afonso Henriques, falecido há 820 anos PAULO RICCA/PÚBLICO

    Através de um pequeno orifício no túmulo de D. Afonso Henriques, na igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, a investigadora Eugénia Cunha introduziu um aparelho médico, um endoscópio, para espreitar lá para dentro. Viu duas pequenas urnas de madeira, uma sobre a outra, muito degradadas.

    "O espaço é amplo e no centro estão as urnas. O fundo do túmulo é composto por pedra", conta a bióloga e antropóloga forense da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Hoje vai poder confirmar o que observou em Abril, e talvez muito mais, quando às 17h for aberto o túmulo do primeiro rei de Portugal.

    A outra urna deve ser da mulher de D. Afonso Henriques, D. Mafalda,( Será a dos gritos vimaranenses ???,digo eu ) esclarece. Terão sido sepultados no mesmo túmulo na entrada da igreja do Mosteiro de Santa Cruz..."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo.
      Que História tão bem estudada...
      Estou sem palavras.

      Eliminar
  6. "E eu hoje estou afonsina, tenho para aqui um espadão para bramir, colossal e pesado, que pesadelo, muito acima das minhas forças, logo eu, que sou tão lingrinhas, mesmo não sendo."

    Não se diz por aí que o tamanho não importa?

    PS: Estás um bocado blue nessa foto. Vê lá se ficas mais green :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Importa. Quem inventou isso, há-de ter sido uma má língua :P
      Ou um desprovido, para se justificar.

      PS: Foi para combinar com as cores do blogger, não me fica bem? Pareço congelada e tudo...
      Sabes que mon coeur ne balance pas... :P

      Eliminar
    2. Para ti, Jedi.

      http://lindaporcaoucheirodeestrume.blogspot.pt/2015/02/o-tamanho-nao-interessa.html

      (estou sempre a fazer publicidade ao meu buraco, qualquer dia levo com as asas da ASAE)

      Eliminar