19/02/2015

Eu tenho problemas com tudo # 3

Ainda não me consegui adaptar à lei dos sacos e já ela tem 4 dias.
Comprei um saco horrendo no Continente, preto, com um coração em forma de massas (dessas que se comem. Nem sei por que é que estou a explicar isto) e recebi um talão para, na próxima compra, me darem outro saco. Fiz boquinhas e bati as pestanas, e como isso é coisa para resultar tipo 100 % das vezes, vim munida de dois sacos, sendo que só paguei um, embora ambos horrendos. Olhei em volta, e o povo transporta os sacos na mão, no cotovelo, a meias com outra pessoa, cada um a segurar uma asa, mas eu inaugurei o Porca Style com o meu, e saí de lá a arrasar de charme hipermercantilista, com o meu saco ao ombro. 

Mas hoje aterrei na mercearia do meu bairro, onde, conforme sabem, o Avelino me avia com pepinos. Por falar nisso, os pepinos estão enormes. Trouxe de lá dois com um comprimento e diâmetro tais que, se eu não fosse menina para tratar daqueles dois assuntos sozinha, davam para alimentar uma família de nove bezerros desmamados durante três semanas. Pelo menos.
Devem ser do Entroncamento.

Acabei as minhas compras, quando me perguntam, na caixa, se quero sacos. 
Ora, eu trazia comigo: 3 kg de batatas; 1,5 kg de cenouras; 0,5 kg de abóbora; 6 ramos de brócolos; 2 embalagens de alho em pó; 2 kg de maçãs; um cacho de 8 bananas; 1 kg de peras; 1 molho de coentros (que, parecendo que não, também contribui), 2 alfaces e os 2 pepinões.
Eu sei que é tudo muito fálico. Safa-se o alho. O alho, genitais.
E ela pergunta-me se eu quero sacos.
Resposta correcta? Claro que não. Levo tudo preso nos dentes, axilas, mãos, e uma merdinha pequena no pescoço. Podem ser os coentrinhos. Calhando, ainda metemos o alho nas minhas orelhas, à laia de brincos.
Paguei a porra dos sacos. Mas verifiquei o seguinte: os sacos não têm buraco.
E protestei:

- Estes sacos não têm buraco!

O espanto, o horror, a incredulidade, a conversa porca.

Mas alguém se deu conta que os sacos do supermercado todos tinham buraco, antes da lei?
Lembram-se da cena "This bag is not a toy"? 
Então, o buraco era para evitar a asfixia das crianças. É que parece que as crianças tendem a tentar matar-se com sacos do supermercado. A mim disseram-me para não pôr sacos na cabeça, quando era pequenina, e a primeira coisa que eu fui fazer foi enfiar um saco na cabeça. Se calhar, por isso, é que sou assim. Porém, com a nova lei, as crianças já não vão tender a tentar matar-se com os sacos.
Em contrapartida, já podemos despejar a areia dos gatos e dos passarinhos para estes novos sacos, sem que nos suceda aquela praia no chão da cozinha.
Não percebo nada desta lógica.

14 comentários:

  1. Ora então, ela deve ter pensado que, além do colar de coentros e dos brincos de alho, podias fazer um chapéu com as frutas, ao estilo Carmen Miranda. Os vegetais podiam ir a arrastar no chão, amarrados com uma corda presa na cintura, que já chegavam a casa descascados e tudo! Excepto os bróculos, esses tinhas de levar na mão como bouquet.
    E depois de teres falado disso dos buracos ocorreu-me que também brinquei com muitos sacos sem tal protecção...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei como não pensei nisso antes. Essa imagem é muito engenhosa. Tivesse eu jeito para o photoshop.
      Também eu, e acho que não morri...

      Eliminar
    2. Com o photoshop também não sou de grande valia, temos um relacionamento algo frio e distante... Mas para sugerir ideias (malucas) estou sempre à disposição :)

      Eliminar
    3. Eu importei um, daqueles de 30 dias, mas já me passei da marmita tantas vezes com ele, que acho que é melhor desistir :D
      Ideias malucas são sempre bem vindas. Senta aí, que eu vou buscar as pipocas :)

      Eliminar
  2. não acrescento nada, porque ficou aqui muito bem explicada agonia de uma mulher que sabe o que comprar, onde comprar e como transportar! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém nos dá o devido valor :)
      E ainda subestimam a nossa inteligência, com perguntas tão dispensáveis quanto letais. Se eu queria sacos.

      Eliminar
  3. Já estou a imaginar:

    - Luisinho! Luisinho, a mamã está a falar com o menino! Já lhe disse para parar com essas brincadeirinhas da asfixia, que os sacos agora custam 10 cêntimos e o papá precisa do iate! Ai, ai, vamos lá ver, vamos lá ver..."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só a fortuna de família que se vai desbaratar, à custa dos sacos de plástico. As pratas, as jóias, as porcelanas :)

      Eliminar
  4. Porque será que se fala tanto em sacos de plástico?
    'Bamos a ber', por causa da nova fiscalidade que dizem ser verde, certo? Ora, e se deixassemos de brincar com coisas pouco sérias, senhores 'gobernantezeszes'?
    E andam estas múmias a criticar o Costa por causa da taxazinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles não sabem o que mais inventar para infernizar a minha vida, sabes?

      Eliminar
  5. Ontem fui ao continente, onde só comprei duas coisitas, e dividi o tal belo do saco com uma amiga. E dividimos a asa. Grandes possibilidades de me teres visto a fazer a triste figura que descreves. Deixei a coroa em casa, daí não me teres reconhecido...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não considero triste, apenas diferente do Porca Style.
      E, majestade, uma rainha é sempre uma rainha, independentemente do que põe na cabeça.

      Eliminar
  6. :)))) obrigada por me fazeres rir :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa agora! :)
      Obrigada a ti, por te rires com estas coisas :)

      Eliminar