25/06/2016

colo

Já foi há uma semana, mas ainda dói. O tempo não é médico, nem sempre sara, às vezes parece a mezinha infalível que quase nos mata da cura.
Fui sozinha, à procura de colo, a querer brincar às filhas únicas que nunca fui. Estava mesmo sedenta e faminta, e pareceu-me a ocasião perfeita, não fora estar tudo tão imperfeito que só eu não vi antes de ver à chegada.
Encontrei o meu colo indisponível e perdido, e então dei o meu, perdida que fiquei de o ver assim.
A vida é demasiado estúpida quando se põe com ironias e sem metáforas.
Às vezes, apetece-me fumar um triste cigarro, tamanha é a sede, tão grande é a fome. 
Era capaz de não me matar tão lentamente.



12 comentários:

  1. Com todo o respeito, LB, recordo o que o outro disse: "é a vida".
    Beijinho e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Resta o consolo de acreditar que quem dá também recebe.

    Um abraço apertado, querida Blue

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não há outro, querida Miss Smile.

      Outro, com beijinhos

      Eliminar
  3. Minha Linda,

    Vem nadar mais vezes, sabes tão bem que deslizar dentro de água nos ajuda a lavar a alma.

    Beijos. Shark

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Shark (permite-mo),

      Ninguém melhor do que tu sabe o quanto isso é verdade. Estou a caminho do mar, como sempre.

      Beijos,
      Bleue

      Eliminar
  4. A infância vem
    pé ante pé
    sobe as escadas
    e bate à porta

    – Quem é?
    – É a mãe morta
    – São coisas passadas
    – Não é ninguém

    Tantas vozes fora de nós!
    E se somos nós quem está lá fora
    e bate à porta? E se nos fomos embora?
    E se ficámos sós?

    Manuel Antonio Pina


    um abraço, linda Blue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que poema maravilhoso, flor. Não conhecia e gosto tanto. Obrigada, linda.
      Já não fiquei tão só.

      Outro para ti, com beijinhos de mim

      Eliminar
  5. Daqui segue um colo, nunca seria tão doce mas é um colo.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão bom, tão bem intencionado, é dulcíssimo, de certeza.
      Obrigada, querida.
      Um beijo para ti

      Eliminar
  6. Se como eu, tomasses um dose cavalar de comprimidos e bebida, acordasses com um tubo enfiado pila acima e a fazer carvão ias como eu pensar «um tiro nos cornos é que é». Desculpa o humor negro mas é a minha forma de lidar com este tipo de dramas, que também os tenho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que teria que nascer outra vez, ou muitas vezes, para que esse cenário que descreves fosse possível comigo.

      Eliminar