13/02/2017

100 sombras

Já não se pode ir ao cinema sem se levar com a pastilha do trailer das sombras do Sr. Grey. Diz que estreia amanhã, a propósito do dia dos namorados (?). 
Vamos já aqui acertar dois ou três parâmetros, que é para que não hajam confusões: eu não li a trilogia das sombras. E não lo fi-lo por três ordens de razões, cuja ordem é absolutamente arbitrária:
1. Não faço viagens de metro suficientes para ler um livro desses, quanto mais três;
2. Não tenho uma daquelas capinhas floridas, que servem para tapar a capa do livro que se vai a ler, muito concentrada, entre Arroios e o Martim Moniz, numa de não-tens-nada-a-ver-com-isso, ou eu-sou-bem-comportada-mas-preciso-de-saber-do-que-se-fala-lá-no-escritório;
3. Não sou suficientemente mentirosa para ter lido e vir para aqui dizer que não li — o mais certo era desbroncar-me, ou eu não me conheça;
4. A actividade sexual dos outros interessa-me, basicamente, zero.
Afinal foram quatro.
Vi o primeiro filme, já em casa — porque pagar e deslocar-me para ver o que se anunciava, também me pareceu desperdício a vários níveis —, e aquilo foi o tédio. Também já me havia entediado até ao bocejo com o Nove semanas e meia, e era muito mais nova do que sou hoje (assim como era ontem) (assim como era a Kim Basinger), por isso acho que a idade não perdoa, sim, mas emplastros em forma de filme. 
O trailer das Cinquenta sombras mais negras anuncia mais cenas de sexo à maluca, tudo muito consentido, em que a frágil Anastasia mantém o ar frágil (ó pá, coitadinha, lembra-me a Sophie Marceau quando tinha 16 anos, no La Boom, não consigo desligar o impulso de ter peninha dela), entre orgasmos no elevador, contra a parede, e até tira as cuecas no restaurante (porque ele manda). Ui, que maluquinha. Que atrevida. (Espero que a moda não pegue. Deixem-nos andar de elevador sossegados, e tomar uma refeição sem interferências ao nível sensorial.)
Mas, como nem tudo pode ser mau, a música que acompanha o trailer é o melhor que ele tem. O original é Beyoncé, e heh. Esta é cantada por (simplesmente) Miguel, mas não houve modo de encontrar apenas a música sem o trailer, portanto aqui fica. Desculpem. 

14 comentários:

  1. Enquanto as sombras são vistas e não ganham prémios, o "La La Land" continua soma e segue.
    Desta vez o Ryan Gosling Khromo não levou nenhum para casa ;). O filme sim , tal como merece, na minha modesta opinião.

    Ainda não vi as tais sombras, não faço questão. Compreendo o interesse.
    Esta crónica está 5 estrelas.

    Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, mas ainda não desisti de (re)ver (a parte do filme que não vi) o La La Land. A ver se soma mais uma, e segue em paz.

      É mais uma crónica sobre um filme não visto :)
      Obrigada.

      Eliminar
  2. procura a luz, distancia-te das sombras e das suas vicissitudes. :))
    beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a luz está bem distante de tanta mania. Aquilo é uma prisão, coitadinha da mocinha :)
      Boa semana, Mia.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Pois somos duas...andar a pé e ler os calhamaços da palmadinha na nalga não são combinação que tencione fazer. Não obstante se tem musiquita boa, lá dá para entreter nem que seja o trailer =P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, nem eu. E demais a mais, nem a calçada portuguesa o permite.
      (E agora atreve-te a desaparecer outra vez, que eu vou atrás de ti, oooooolé! :))

      Eliminar
  4. Anónimo14/2/17

    Temos a mesmíssima opinião sobre o livro e o filme. :-) Tanto livro bom para ler e perder tempo com páginas cheias de clichés? Não mesmo! Para quem gosta de erotismo, aconselho Henry Miller.
    A banda sonora realmente destoa da falta de qualidade do filme, salva-se isso.

    Anónima "simpática" do comentário sobre o seu novo carro :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Erotismo bom e bem escrito, nem é preciso ir muito longe, que também há aqui na blogosfera.
      Naquele caso do livro e, por consequência, dos filmes, queria ver aquela pica toda sem o power financeiro de Mr. Grey: sem a sala xxx, sem a casa, sem o carrão, o helicóptero, os restaurantes. Isso é que era atracção física pura e dura!

      Bem revinda :)

      Eliminar
    2. Anónimo14/2/17

      É mesmo isso. Aplica-se o "antes rico e com saúde (e bonito) do que pobrezinho e doente (e feio)". :-)
      Estou sempre por aqui, mesmo quando não comento.

      Eliminar
    3. Pergunto-me quantos casais pobres e desprovidos de beleza não são mais felizes do que aqueles dois.
      (Jesus, estou naquela fase do dia em que acredito num amor e numa cabana!? :))
      E eu sou actualmente a única blogger com uma Anónima impec! :)

      Eliminar
    4. Anónimo15/2/17

      Quem gosta deste tipo de cinema e literatura (se bem que chamar aquilo de literatura...) está habituado a ler Nicholas Sparks e afins e a ver as comédias românticas americanas, com as meninas da claque. :-) E é verdade que cada um vê e lê o que bem lhe aprouver, mas é tão fraquinho.. obrigada pelo elogio! ;-)

      Eliminar
    5. Tal e qual. Quando me ponho a fazer o exercício de tentar perceber como é que alguém gosta de determinada coisa (ou pessoa...), lembro-me sempre daquele ditado do amarelo e do azul, e penso "Ainda bem que não gostamos todos de azul!" :)
      Eu gosto de ser bem tratada, porque costumo tratar bem as pessoas. Quem tem a agradecer o facto de não me aparecerem aqui com muita frequência pessoas mal dispostas sou eu :)

      Eliminar
    6. Anónimo15/2/17

      Eu não sou muito de comentar na blogosfera. Leio, concordo ou não, mas não costumo opinar por escrito. E se um blogue não tiver graça e estiver mal escrito, com erros de sintaxe,gramática, pontuação, já não volto. Nisso sou picuinhas. :-) O seu tem graça e está bem escrito, resolvi "botar faladura"... :-)

      Eliminar
    7. Bem, qualquer dia julgam que sou eu a comentar-me a mim mesma :)
      Obrigada, muito :)

      Eliminar