17/06/2017

xenoamor

O pai é japonês, a mãe é loira. Falam inglês entre si, língua que, provavelmente, descobriram como veículo de entendimento no topo da Torre de Babel. Ela é a japonesinha mais loira e mais linda que algum dia vi na vida. Calculo-lhe uns seis meses de idade e sei que não costumo errar por muito: já se senta muito bem e vocaliza monossílabos. No entanto, ainda está longe do tamanho e robustez dos oito meses, idade da pré-marcha. Acordo de manhã ao som dos sons dela e isso transporta-me para um tempo de saudades que não mais verei. É madrugada, mas era também de madrugada que os meus seis meses todos chamavam ma-ma. Nunca pesquisei sobre o assunto, pois sempre assumi como verdadeiro que a origem de mamã é mama, assim como de papá é papa. No entanto, para a minha japonesinha loira (que só não roubo porque nunca passaria por minha filha, que fique já aqui claro), cuja língua materna é aquela que os pais encontraram no topo da Torre, o que será ma-ma, que não seja mamma, entendível universalmente como mamã? Os bebés, eles sim, inventaram uma linguagem comum, espécie de esperanto, sem barreiras nem desentendimentos. E isto, com meia dúzia de palavras, mono e bissilábicas.

4 comentários:

  1. Inventam mesmo. Gostei do mamã mama e papá papa. Pensando bem... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dos tempos imemoriais em que a mãe ficava a dar mama e o pai saía à conqista da papa...? :)

      Eliminar
  2. Creio que quando fui tia (fui-o antes de ser mãe), associei a mamã à mama e o papá à papa, como referes neste post. Mas aqui há tempos vi num programa qualquer que essas são as primeiras palavras dos bebés porque o m e o p são as primeiras consoantes que os bebés conseguem articular, daí as palavras mãe e pai serem praticamente universais, ou, pelo menos, muito parecidas em todas as línguas.

    (olha: está um calor enorme, tu não te deixes queimar)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, haverá uma explicação científica para o assunto, mas esta é a versão romanceada dele. Repara que isto torna as crianças portuguesas mais precoces do que as outras, já que papa e papá não são tão universais quanto mama e mamã :)

      (muito factor de protecção 50, muita sombra, muito banho e uma pele que, halellujah!, não é muito branca. Mas obrigada!)

      Eliminar