30/06/2017

pílula da felicidade

A cadeira de rodas dela impedia a minha saída da loja onde se toma café, se compram revistas e jornais, se joga a sorte maldita de nunca se acertar nos números certos, mas hoje era dia de fezada (prima demasiado afastada da fé), e tinha que jogar os dados para criar a infinitésima possibilidade. 
Parei diante dela, que fez tenção de recuar a cadeira para eu passar, e pedi que não o fizesse, pois podia esperar, mesmo não podendo. Uma cara muito negra, muito linda, rasgou-me um sorriso brilhante de pérolas brancas, e pediu para o balcão, logo ali, uma pastilha elástica. 
De morango, especificou. E ele, que podia ter aproveitado o meu braço estendido, cometeu a delicadeza de sair de detrás do balcão para lhe ir entregar a grande e doce encomenda à mesma mão que segurava a pequena e fria moeda. Rejeitando o pagamento, sorriu de volta ao sorriso ainda não desfeito dela que eu entendi meu — quem sabe nunca se desfaz —, e disse 
Não levas nada
e eu entendi que não levava mesmo nada, para o tanto que ali deixava. Foi o instinto — não sei qual deles —, ou foi uma força qualquer que me empurrou para o balcão, para pedir, exactamente, uma pastilha de morango. Paguei-a então com moeda metálica, por ali não deixar nada. 
Já na rua, toda cheia de sol, ouvi-lhe no mesmo sorriso,
Desculpe...
Ora, de quê? 
Se levo tanto. 
Deus, ou outra força qualquer, permita que não ganhe o prémio do jogo esta semana. 


10 comentários:

  1. Anónimo30/6/17

    E é em dias assim que se tem fé na Humanidade...
    Bom fim-de-semana, LB!
    AL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente, ela era tão bonita e tão simpática :)
      Bom fim de semana, AL. Obrigada

      Eliminar
  2. Linda,
    Muito bonito e sincero.
    Os meus parabéns .
    José

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, José. Mas eu sou uma pessoa igual às outras.

      Eliminar
  3. Isso agora ...não somos todos iguais.
    Basta conduzir em Lisboa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ufa, por esse prisma, não mesmo!

      Eliminar
  4. Histórias que (pre)enchem o coração. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há pessoas, mesmo que sejam desconhecidos, que tê o dom de nos fazer ganhar o dia :)

      Eliminar