22/04/2015

Eu sou aquela pessoa que nunca, em circunstância alguma, deves levar ao supermercado # 5

Vejo poesia em tudo.


15 comentários:

  1. Eu já quis essa almofada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também, e ela é barata, mas ando sempre a refrear o impulso consumista...


      Eliminar
  2. Por respeito à Florbela não vou estragar a letra dela com uma das minhas versões porcas, mas fica anotado para referência futura :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Referes-te a esta Flor(i)bela? :P

      (Entretanto, não sei o que é que o blogger fez ao teu outro comentário. Eu mandei publicar os dois.
      Se não aparecer entretanto, publico por cópia do mail :P)

      Eliminar
    2. Deve ter ido parar ao spam. Os meus comentários são assim :P

      Eliminar
    3. É o que eu digo: o anti-histamínico é que tem a culpa, que eu sou de uma inteligência superioríssima.

      O teu outro comentário era a outro post.
      Estou pior.

      Eliminar
  3. Não desgosto da Florbela, mas já que é para levar para a cama (o poema, claro está!), eu preferia um dos do Bocage ... talvez o "soneto do membro monstruoso" ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pessoa não ficava apardalada a olhar para aquilo, sem conseguir dormir, ou lá o que é? ;)

      Eliminar
    2. Bem, uma almofada só não chegava ... talvez fosse preciso um travesseiro para isto:

      "Esse disforme, e rígido porraz
      Do semblante me faz perder a cor:
      E assombrado d'espanto, e de terror
      Dar mais de cinco passos para trás:

      A espada do membrudo Ferrabrás
      De certo não metia mais horror:
      Esse membro é capaz até de pôr
      A amotinada Europa toda em paz.

      Creio que nas fodais recreações
      Não te hão de a rija máquina sofrer
      Os mais corridos, sórdidos cações:

      De Vênus não desfrutas o prazer:
      Que esse monstro, que alojas nos calções,
      É porra de mostrar, não de foder."

      ... apardalada, eu não ficava, mas a rir ... talvez! Principalmente, com os dois últimos versos ;)

      Eliminar
    3. Este merece ser impresso no lençol de baixo de uma cama de casal :D

      O pior era, na hora do vamo-vê, uma pessoa olhar para a frase "Creio que nas fodais recreações" e perder-se de riso, em tão sério momento...

      Eliminar
  4. Ele são morangos Palerma,ele são almofadas com poesia ...o Belmiro estará gagá ?
    Francamente !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso lá lhe passa, de perto ou de longe?

      Eliminar
  5. Cuidado com essa almofada !
    Ainda levas com o Luís Represas...a cantar-te baixinho ao ouvido.

    ResponderEliminar
  6. E é às riscas? Medo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem a fez, pode ter imaginado a poetisa a escrever o poema à máquina, quem sabe o que vai na cabeça de quem, de uma forma ou de outra, se dedica à poesia?

      Eliminar