18/08/2016

Na senda de "Sou só eu?" # 2

São, estatisticamente, cerca de 90% das vezes: sento-me à mesa de chinela Havaiana (por acaso, as minhas são das baratas, estou apenas a utilizar o nome da marca Havaianas como designação genérica. Já me calava, mas não resisto a reafirmar o quão tão pouco blogger sou) nos dois pezinhos. O problema põe-se com mais acuidade e premência aquando do gozo bom de férias: descalço-as, solto os porquinhos que, os dez felizes, se espraiam pelo soalho, ladrilho, relvado, who cares. Quando, por fim, resolvo recalçar-me, ele há de tudo um pouco ou um pouco de tudo à minha espera: 
- É a chinelinha que não aparece ao tacto do pé, transformando-me numa involuntária e contrariadíssima Cinderela da xanata;
- É sentir que estão lá as duas para mim, para o que der e vier, mas trocadas, feitas malandras, a esquerda a oferecer-se ao pé direito, muito devassa, e vice versa;
- É dar com uma capotada, dar-lhe um toque, um leve jeito, para a virar para cima, e ela dar uma volta de 360º, e continuar capotada até eu me meter, espumante, debaixo da mesa e me fazer grua e reboque;
- É ter uma (ou as duas, também consigo o pleno) virada de frente para a ponta do meu pé, dar-lhe com ela, e a chinela virar-se de ladex. Depois dar outro, e ela para o outro ladex. Encher-me da raiva, dar-lhe um coice e ela ir parar ao Samoco, inalcançável, continuando, assim, em contramão. Ou contrapé, ou lá o que é.
Morais da história:
1. Eu também calço o meu chinelo;
2. Também me foge o pé para o chinelo;
3. Nem todo o chinelo me serve;
4. Ao menos, que seja Prada;
5. O diabo veste Prada;
6. O Papa calça Prada;
7. Não tenho qualquer hipótese de não ir dar com os costados no Hades. (Pode ser que vá calçada com Prada.)


4 comentários:

  1. Ahah! O drama do belo do "chenelo"... :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém me dá o meu devido valor! :D

      Eliminar
  2. é coisa que nã atino... andar de chinelo
    mas a tua referência ao Samouco deixou-me nostálgico... em tempos cometi por esses lados, com vista para o rio, o acto bárbaro de comer polvo à lagareiro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho um bocado a PDM, mas depois sou tão povina como toda a gente.
      Qual bárbaro, só se for para ti :) Bem bom!

      Eliminar