31/01/2017

la la sleep

Hoje venho, na senda da vertente pura e extraordinariamente intelectual deste modesto espaço de alta elevação cultural, falar-vos de um filme que, efectivamente, não vi. E, como tal, não vou spoilar, ou, pelo menos quase nada.
(A quem já tomou o tamanho ao texto com um breve olhar medidor, é isso mesmo: não me vou alongar por aí afora, já que — repito — não vi o filme. Ou melhor, muito melhor, não o vi todo.)
La la la, la, la, la...
Não haverá mais doida, mais fã, mais incondicional do que eu quando se trata de menino Ryan Gosling. Gosto dele, que quereis? Lá se é bom actor, acho que sim, mas isso é secundário, tendo em conta que ele é sempre o principal. É o sorriso, é a voz, são aqueles olhinhos desiguais, é ele de camisa, é ele de calças de fato, é ele...
Desta vez, aparece ao piano.
(... é ele ao piano.)
E aparece outra vez (a sério, povo de Holly, o que pretendeis com a insistência em juntar estes dois?) com a Ema Stone, que é tão gira e está tão estranha — enormemente magra, vítima de recente botox-disaster. Parvas de Hollywood, vá lá, parem de estragar essa maravilha que a Natureza vos deu.
Talvez ainda não tivessem decorrido trinta minutos da fita e já eu dormia a sono solto, embalada pela trama — cuja sinopse não cheguei a conhecer —, incapaz de resistir a Morfeu, um pouco desiludida, senão de morte, pelo menos de sono quase eterno, após ter constatado que meu Ryanzinho, apesar das quatro horas diárias de ensaios, por não sei quantos dias seguidos, não aprendeu a dançar, e também não canta nada de por aí além. É a tal história que conto (e canto) a mim mesma, cada vez que cometo uma pequena falha na minha vida: Não se pode ser bom em tudo.
(Talvez reveja a película um destes dias, Ryan merece uma segunda oportunidade. Já vi tanta porcaria com ele, esta pode ser apenas mais uma. Lindo de sua Linda.)

12 comentários:

  1. vossemecê adormeceu a fitar aqueles olhos azuis? vossemecê já viu bem aquele queixo? eu fiquei com o dito caído quando li tal heresia :)) fui ver e gostei . é despretensioso. no que toca a cantar, bem, nem um nem outro têm grande habilidade, a dançar, ok! concedo, não são propriamente estagiários de Fred Astaire e Ginger Rogers, quanto mais os próprios em versão contemporânea, mas ...vai ver outra vez. concentra-te.
    beijinhos, Linda. Boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, andarei a ficar indiferente àquele deus? O problema serei eu? É assim tão imperdoável que Ryanzinho dance tão pouco e cante tão fraco?
      Vi na TV, tugaflix :)
      Boa noite, Mia. Beijinhos

      Eliminar
  2. Linda Blue, não pode ter visto "tanta porcaria" com ele, porque ELE nunca fez porcaria coisissíma nenhuma. Podia por-me aqui a enumerar os filmes do Ryan Gosling, que são muitos, apesar da sua "tenra idade", afinal são para aí uns 25 filmes ou mais (desde 1995). Alem disso é roteirista, produtor e até realizador. Sempre cantou, toca guitarra e piano desde os 6 anos. Teve uma banda Chamada de "dead man bones", pode procurar no you tube e não é fraquinho a cantar, a voz dele é aquela e para o filme em questão não era preciso ser tenor. Achei o filme La La Land merecedor de todos os prémios que teve até aqui, que já são bastante.O Ryan nem sequer é muito bonito, um deus como afirma, é sim um excelente acto, como poucos. Desculpe-me, o filme não é filme para ser visto na TV. Saia do seu sofá e vá vê-lo ao cinema. Faz toda a diferença.
    E não olhe para o homem, olhe para o actor, seria isso que ele lhe diria. Je sais :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calma, KK. Eu também vi muitos. Fui contá-los à Wikipédia e são 28. Sei que vi bem mais de metade. Também sei que a carreira dele começou no Clube do Mickey, na televisão. E não gostei de tudo o que vi, não mesmo. Por exemplo, o "Lars", achei uma estopada, o "Drive", que é sempre apelidado de "granda filme", de uma violência que já se evitava, o "Blue Valentine" uma pastilhinha de cinema intelectual, o "Entre segredos e mentiras" um thriller chatérrimo. Não gosto de o ver fazer de doente mental, vá-se lá perceber isto.
      E pronto, continuo a achar que não cante por aí além (os musicais costumam ter vozes de excelência, quantas vezes dobradas) nem tenha (Ema Stone incluída) aprendido a dançar passos básicos.
      Acho-o lindo, porque nunca achei bonitas as pessoas totalmente perfeitas, e ele tem assimetrias muito harmoniosas. Aquela dos olhos é belíssima.
      E saio muito mais vezes do sofá do que venho aqui contar, acontece que também tenho uma família muito grande e, de vez em quando, sabe-nos bem estarmos só nós a ver um filme. Escolhemos mal, pelos vistos.
      Kodak, isto é como em tudo na vida: se todos gostássemos de azul, o que seria do amarelo? :)

      Eliminar
    2. Sem ofensa, menciona dois filmes que são de antologia, na minha modesta opinião de cinéfila convicta: o "Drive" e "Blue Valentine"
      :)
      Opiniões...
      Da discussão nasce a luz, por vezes.
      Beijokas, com K

      Eliminar
    3. Só hoje vi este comentário, e porque corri a lista dos que aguardavam moderação.
      Pois, Kodak. Também me lembro de tantos filmes que ficaram na História do cinema como de antologia e que eu pagava para não ter perdido tempo a ver.
      Beijinhos azuis

      Eliminar
  3. Não me apetece ir ver. Muito liht para me arrancar para uma sala de cinema, a aturar os roedores de pipocas e sorvedores de coca cola.

    Beijocas, Lindona :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *light
      Rais ma partam! :p

      Eliminar
    2. Eu ainda lhe dou a second chance, mas no recesso do meu lar. Uma das miúdas aguentou até ao fim, é também fãdo menino, percebe de cinema como tomara eu, e diz que meh :)

      Beijocas, Mary :)

      Eliminar
  4. Ryan Gosling ou Ryan Khromo ?
    Não faz o meu género!
    :) :) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ryan Golding.
      Faz o meu, deixa-o lá estar!
      :)

      Eliminar
    2. AHAHAHAH! DEve ser Khromo. Vou emendar. Escrevi qualquer coisa hoje sobre este Khromo :) :);)

      Eliminar