06/01/2017

Eu tenho problemas com doidos # 12

Sinto-me um pouco doida cada vez que atravesso os portões do Júlio de Matos, agora (há que anos) Parque de Saúde de Lisboa. Não há uma única vez que não pense — não é uma memória, pois não me lembro — que a minha mãe me transportou para ali ainda na alcofa, e que aquele há-de ter sido dos primeiros ares que respirei, no silêncio dos inocentes e no sono dos justos. Acredito que nunca mais dormi como dormi ali. 
A impressão que tenho é a de que, mesmo quem não é doido, passa a parecer ser quando ali entra. Ninguém se distingue de ninguém. 
Procuro o Instituto Português de Sangue, e sei que, de todas as vezes que já lá fui, em nenhuma fui capaz de aprender o caminho. Sinto-me outra vez um pouco doida por isso. E por saber que me vou perder e ir parar a outro pavilhão qualquer. Os sinais direccionais acabam a meio do percurso, e há uma altura, fatal, em que entro em contramão. Sei que o fiz, porque avistei o sinal de proibição, mas, ainda assim, estou sem alternativa, uma vez que para a direita também é proibido. Só fazendo marcha-atrás, e isso não quero fazer, por me parecer que o edifício do sangue está mesmo ali à esquerda. Percorro duas ruelas em sentido contrário e aparece-me a casa cor-de-rosa (que seria azul-bebé, no caso de termos sangue azul, penso eu assim, e sinto-me outra vez doida) em todo o seu esplendor. 
Respondo ao questionário dos dadores com a mesma monotonia de sempre, nada mudou na minha vida desde há anos para cá. Estou só mais velha e talvez mais doida. 
Pergunto ao funcionário da recepção se não há brindes. A minha caneta do IPS secou, os porta-chaves que ofereceram em tempos nunca tinham o meu grupo sanguíneo. Ele responde que "foi tudo em Dezembro" e remato com "Eu só cá venho pelos brindes". O homem olha-me como se eu fosse doida. 
Volto a responder ao questionário da entrada, agora verbalmente, perante a enfermeira da triagem. Pergunta-me se eu tenho o peso mínimo para dar sangue, asseguro-lhe que sim, mas, mesmo assim, aldrabo no número de quilos, pois se nem eu acredito, ela também não acreditaria: uma coisa de doidos. 
Sou obrigada a tomar uma refeição maioritariamente líquida antes da dádiva. Bebo um pacote de sumo, que me salta pelos ares e aterra em cima da mesa. Parece que bebi vinho, e fico com ar de doida quando me rio da circunstância. 
No momento em que entro na sala de recolha, o enfermeiro olha-me, esbugalhado, esgazeado, olhar de doido, e grita:
- [Linda Blue], lembra-se de mim? — Respondo a verdade:
- Lembro, perfeitamente!
- Não lembra nada...
- Lembro, porque uma vez filmei a minha dádiva e é a sua voz que aparece no filme.
- Oh... disso não me lembro eu...
Pergunta-me em qual braço quero a agulha, digo que tanto faz e pergunto se também pode ser numa perna. Ele responde que "É onde houver veias", revejo mentalmente o sistema venoso profundo e endoideço um pouco.
Sento-me na marquesa onde me vou deitar e desmancho-lhe um braço. Caem as almofadas, caem os sacos de recolha.
- Agora sim, estou pronta para outra.
À saída, perco-me de novo, no caminho de regresso à normalidade.


8 comentários:

  1. Não sei se sabes, mas os dadores de sangue têm direito a folgar no dia da dádiva. Ao fim de duas dádivas (no mesmo ano), ficas praticamente isenta das taxas moderadoras...

    boa tarde linda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei. E das taxas também. Mas eu não beneficio de nada disso, porque sou liberal e também porque das vezes que recorri ao sistema nacional de saúde, errr... enfim, tenho sorte (ou não).

      Boa tarde, Moonchild

      Eliminar
  2. Nas vezes em que dei sangue, podia comer depois e ganhei o hábito de uma 7UP e meio croissant - na primeira vez achei incrível que fossem oferecidos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dão-nos um lanche antes e outro depois. Eu aproveito os dois.
      Mas o sangue é um bem muito mais precioso do que qualquer lanche :)

      Eliminar
  3. ato que não posso praticar pr questões de saúde, mas que me fica sempre um engulho, fica, quando vejo a generosidade ali toda, a sair de uma veia qualquer.
    bom fim de semana, Linda.
    beijinhos,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim, move-me pensar que um dos meus pode precisar um dia, e houve alguém que deu. Se não pudesse dar, teria pena, mas não mágoa. Há tantas maneiras de dar, e tu dás, com certeza.
      Bom fim de semana, Mia
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Podes ser um pouco doida, mas és liiiiiiinnnnnnndaaaaaaa!

    Beijocas repenicadas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As doidas também podem ser lindas, assim como a inversa. Tu saberás melhor do que eu :)

      Beijocas, Mary!

      Eliminar