20/12/2016

Espera

A rampa das chegadas do aeroporto é um cais de desembarque onde, especialmente nesta altura do ano, muitas emoções se encontram — e se reencontram — à flor da pele. Quem espera, faz-se pontual na aterragem, apresenta-se no cais à hora a que as rodas do avião tocam o solo, como se fosse possível que quem chega pudesse saltar directamente da pista para os braços ainda vazios de quem está. Só isso explica que a extensa multidão se mantenha firme, a mesma, expectante, durante largos minutos, meia-hora, uma hora. Entretanto, saem aviões inteiros de gente, e ficam outras gentes, como eu, a distrair a impaciência e a saudade, tentando adivinhar de onde vêm (Olha, este é fácil, vem do Japão), quem os espera, o que os traz aqui no Natal (É fácil, são japoneses).  
Dezenas de pessoas, algumas terminando a rampa num abraço adiado e demorado, uma mulher que sai da multidão e abraça um rapaz, escondendo as lágrimas no peito dele, uma menina que corre ao encontro de um pai, e pula, e trepa-o com risos e beijinhos. Tão diferente, a manifestação das saudades, em função da idade de quem vêm.
Vejo-a ao fundo e toda eu sou lágrimas e gargalhadas engasgadas, que não consigo libertar. Esperei-a nove meses, e agora estes três. Espero-a ao fundo da rampa, mas ela é interceptada a meio, pelo pai e pelos irmãos, fazem-se todos num corpo só e ela, tal como a mulher que reencontrou o filho, esconde e dissolve as lágrimas por todo o grupo. Vem mais pequenina, mais magra, mais pálida, mas isso são os meus olhos, que nada vêem, que vêem. Também a vejo maior. Cabe inteirinha na palma da minha mão, penso assim, enquanto me aproximo, me agiganto, me faço tão grande que sinto os meus braços, o meu corpo todo a redimensionar-se para a acolher — reengravidando dela —, na amálgama de família em que se encontra. Apanho o enorme corpo de gente nos braços, depois isolo-a só para mim, meto-a dentro de um abraço e percebo, finalmente, que nunca daqui saiu. 

17 comentários:

  1. Linda, a saudade é fodida...enfim, fico-me por aqui! Compreendo-te tão bem!Mas tão bem!

    boa tarde :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebo muito bem como é que é "um sentimento bem português". É impossível que seja um exclusivo, mas enfim...

      Boa tarde :)

      Eliminar
  2. Que coisa Blue, estou aqui meio Maria Madalena com as lágrimas a escorrer e o nariz a picar. Dá-lhe um abraço meu que parece que a filha é minha ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas também é tua, Be, se tens esses sintomas todos. Nós ficamos mães do Mundo, desde o dia em que somos mães. Eu vou dar esse abraço. Beijos para ti :)

      Eliminar
  3. Em sintonia, Blue, com 48 horas de diferença :)
    (já o tenho comigo desde Domingo mas devido ao nevoeiro o voo atrasou cerca de, infinitas, duas horas...Apre!)
    Um quentinho e doce Natal é o que vos desejo.
    Beijos Grandes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem essas, Té, nem essas :)
      Isto foi no domingo. Eras tu, a das lágrimas no peito do rapaz? :)
      Feliz Natal para vocês também.
      Beijos, muitos :)

      Eliminar
    2. Loiraça alta e espadaúda!!!?

      Eliminar
    3. Não, aquela era pequena, morena e encaracolada. Alto e espadaúdo era o rapaz.
      Vivi ali entre as 14 e as 15 horas, eu...

      Eliminar
    4. ahahahahahahah bate certo, respirámos do mesmo ar às mesmas horas, Linda!...ele é alto e espadaúdo mas eu não sou morena de caracóis :)

      Eliminar
    5. ...nem alta e espadaúda! :)))

      Eliminar
    6. Jesus, mulher! De onde é que ele veio, da Tcheka? :)

      Eliminar
    7. Ali do chá das 5, my dear. :)

      Eliminar
    8. O avião não era o mesmo, não, embora ela tenha feito escala, mas não por aí :)

      Eliminar
    9. O avião não era o mesmo...nem fizeram escala no mesmo local...
      Igual e desmesuradamente grande, não duvido, só mesmo o sentimento que nos une àquelas "criaturas" fantásticas, que nos fizeram estar presentes no mesmo dia na mesma hora no mesmo local a vivenciar emoções à flor da pele.
      Beijinho Linda Blue :)

      Eliminar
    10. Sabes o que eu acho, Té? Que, assim como tu e eu nascemos no mesmo mês do mesmo ano, também devemos ter esperado estas duas "criaturas" na mesma altura, assim como esperámos agora.
      O amor é o mesmo :)
      Beijinhos, Té :)

      Eliminar
  4. Tão bonita esta espera :)
    As suas palavras puseram-me lá, na rampa das chegadas do aeroporto, no meio das pessoas e das emoções.

    Um Feliz Natal para si e para os seus, querida Linda Blue :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A espera pela chegada, pela vinda, pelo reencontro, que tem tanto de penosa como de saborosa :)

      Obrigada, minha querida. Um Feliz Natal para si e para os seus também, Miss Smile :)
      Um enorme beijinho.

      Eliminar