16/03/2015

Não sei se isto é uma alegoria ou uma metáfora

E não vos digo "Decidam vocês", porque vou decidir eu.
Também não vos pergunto se se lembram desta, porque fui eu que a inventei, e é óbvio que não se podem lembrar de uma coisa que saiu da minha cabeça. (E não é caspa, eu lá sou disso). Hoje vou poupar-vos ao quão espectacular é o meu cabelo e quão maravilhosa é quase toda a minha produção intelectual, uma vez que me encontro em dia de retiro espiritual, alguma contenção ao nível de uns quantos pecados capitais, com vista a dar largas a outros, e, pasme-se, alguma modéstia. Que isto de ser isto é um fardo tão pesado que, soubesse eu o que sei hoje e era menina para ter suplicado, de joelhos, ao criador (olha aí a imagem mental, genitais!), que me fizesse feia e gorda, estúpida e bruta no gesto e modo, pois seria, de certeza, esse o meu ponto de encontro com a paz de espírito, a minha viagem ao Tibete, o meu Taj Mahal.
~
Então, vamos lá:

Era uma vez um furúnculo nojento, instalado numa nalga.
(Para o caso de alguém ainda não ter percebido, eu nunca saí da fase anal. Foi a minha mãe que disse, e as mães sabem tudo.)
O furúnculo era assim verde por dentro, carregadinho de um pus ora espesso, ora quase líquido, sofria (ou gozava) de um odor nauseabundo e tinha uma cabeça gigante e escura, sempre a ameaçar rebentar a qualquer momento.
Cada vez que olhava para o furúnculo, sabia que ia ter uma náusea. Mas olhava sempre. 
(Há qualquer coisa de irresistível no que nos causa repulsa. Puxa-nos e empurra-nos. Bate e sopra.)
E voltava a olhar.
Isso, e só isso, explicava a quantidade de vezes que o furúnculo era olhado a cada dia.
A nalga que o carregava era a única que não conhecia o porquê de tanta atenção.


- Fim -

11 comentários:

  1. Gostei do filme. Só achei o final um pouco precipitado. Talvez no "Furúnculo Nojento II - O regresso" se saiba melhor o que lhe terá acontecido.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mete nalgas, para ti é logo um belo filme :P
      Aquilo está lá, para dar e durar. Um horror. Até lhe hão-de nascer pêlos, que nunca vai rebentar.

      Beijos

      Eliminar
    2. Nalgas e furúnculos, combinação explosiva. Olha, outro belo nome para um filme. :-)
      Prefiro evitar a visualização com pêlos e/ou a rebentar.

      Beijos

      Eliminar
    3. Que expludam os furúnculos, nunca as nalgas :P
      Eu prefiro evitar a visualização do furúnculo propriamente dito, mas aquilo tem tanto de repulsivo como de atractivo.

      Beijos

      Eliminar
  2. Metaforicamente falando, pode ser uma alegoria. Ou nem por isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, ou é uma coisa, ou é outra...
      É uma alegoria, não?

      Eliminar
  3. Uma pessoa salta do post do "bom pai, bom", e ainda nem se recompôs daquele vislumbre, e eis que...ainda que sem imagem, mas com uma imaginação produtiva, se lhe insurge um furúnculo pela mente adentro... não se faz...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdão, Majestade. Eu bem digo que este blog faz uns loopings perigosos. A ver se não entra em mayday, o tolinho.
      :)

      Eliminar
  4. Isto é uma alegoria... Creio! (Gosto do novo visual do blogue :D)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois claro, Pandy! :)
      (Brigadas, boneca. Mas ainda vai levar mais voltas, a ver se fica mais clean)

      Eliminar