30/03/2015

Deslarguei esta frase # 24

Quando bates no fundo do poço, és invadido pela ilusão de que, por esse facto, vais começar a subir, pelo impulso dos pés, e, a pouco e pouco, emergir. Mas isso nem sempre acontece. Há situações que parecem obrigar-te a que, não bastante teres batido no fundo, ainda fiques a esgatanhar por ali, a ver se consegues descer mais baixo. Por isso, quando me dizem: "Deixa lá, já bateste no fundo, agora é sempre a melhorar", fico sempre a pensar: "Olha que não, ainda me falta esgatanhar no fundo".

19 comentários:

  1. Verdade, infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Juro que até me canso das minhas máximas.

      Eliminar
  2. Ainda não te disse que gosto do header. Gosto do header. :) (mas confesso que sinto saudades da porquinha cor-de-rosa)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Obrigada.
      Um destes dias ponho-o, nem que seja na lateral. Foi-me oferecido por uma das quidas, também tenho uma relação afectiva com ele.

      Eliminar
  3. Tenho a informar-te que quando bates no fundo não és invadida por ilusão nenhuma, a não ser que estejas a contar com as alucinações :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou com as dores no rabo, ou na corneira, tudo depende da forma como caíste. E, em não havendo água no poço, é capaz de doer um nico :P

      Eliminar
    2. Então és invadida por dor e não por ilusão :P

      Eliminar
    3. Se deres com a corneira, podes desatar a delirar logo ali :P

      Eliminar
  4. pode parecer pessimismo, mas sou da mesma opinião.
    Bom dia, LP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também acho a frase - e, sobretudo, o pensamento, claro - qualquer coisa de pessimista. No entanto, ela surgiu-me por conclusão após observação, naturalmente.
      Bom dia, Mia.

      Eliminar
  5. Poderia Lavoisier explicar a coisa melhor?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como assim?
      Não queres antes dizer La Palice? :P

      Eliminar
    2. Eu não digo?! Baralhei o Lavoisier com o Arquimedes e saíu m****
      Por causa daquele coisa do '(...)vais começar a subir, pelo impulso dos pés(...)', veio-me à ideia, vá lá saber-se porquê, o 'todo o corpo mergulhado num líquido sofre da parte deste um impulso vertical exercido de baixo para cima' bla bla bla'.
      Coisas minhas, não ligues.

      Eliminar
    3. Não ligo.
      Já não é a primeira vez que te recomendo evitares escrever o que quer que seja depois de almoço.
      :P

      Eliminar
    4. Concordo mas, atenção, este 'concordo' foi escrito ... depois de almoço :-)

      Eliminar
  6. E é no fundo que está o tesouro, lá bem enterrado.
    E o tesouro é saber que pelo menos, miúda, ainda tens unhas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa perspectiva, essa.
      Encontrar a saída, esgatanhando ou dando um impulso final, para cima.

      Eliminar
    2. Qual Uma Thurman no Kill Bill II

      Eliminar
    3. Ainda antes da plástica, sim.
      (Era tão gira, a burra)

      Eliminar