03/04/2018

Viagem de finalistas

Diverte-te, aproveita, cuida-te,
e travei mais não sei quantas palavras, presas na garganta como fumo espesso, tantos pedidos, já não conselhos — pois quem sou eu, senão apenas mãe? —, com laivos de rogo, e um (que me pareceu) leve timbre de súplica.

Uns dias antes, havia começado a lista, encimada pelos mais terríveis e inadiáveis, por ordem de importância na escala da aflição,
Por favor, não bebas até cair. Se beberes até cair, não te aproximes de uma janela. Nem de uma varanda. Nem da piscina. Pede ajuda, se te sentires mal. Não sei se já te disse que me és precioso. Já disse? Então, repito.
Calei-me a tempo de não debitar tudo o que me ensombra a alma de cada vez que um pássaro me sai do radar.

[Senta aqui ao meu colo. Toma a chucha. Não arranques a fralda. Vai ao bacio. Tira isso da boca. Não te descalces. Vem para o banho. Toma leitinho. Dorme um bocadinho. Come a sopa. Não subas para aí. Desce daí. Diz 'obrigado'. Põe o chapéu. Deixa-me pôr-te protector solar. Bebe água. Sai do sol. Espera pela digestão. Não fales com estranhos. Não digas 'não' a tudo. Não corras aqui. Dá-me a mão. Faz um desenho. Sonhos azuis. Dá-me um beijinho.]

[Não apanhes chuva. Não abuses do sol. Leva protector. Cuidado com os mergulhos. Sê educado. Come sopa. Come também fruta. Alimenta-te como deve ser. Respeita a digestão. Não passes fome. Nem frio. Veste um casaco. Leva roupa suficiente. A escova de dentes. Cuecas para todos os dias. E meias. Os calções de banho. A sweat com capuz. Uma farmácia completa, I mean. Também devias levar a tua gata, ninguém a aguenta quando tu não estás.]

[Senta aqui ao pé de mim. Vamos comer pipocas. E batatas fritas. Chiu, é segredo. Tem cuidado. Atravessa na passadeira. Bom treino. Vai sempre pela pista. Não resistas se fores assaltado. Foge da confusão. Vai estudar. Vai para o banho. Acorda, que já são horas. Corre. Diz 'não' ao que te prejudica. Não venhas tarde. Não fumes. Não estragues a tua pele. Dorme bem. Dá-me um abraço.]

Agora a sério, diverte-te. Aproveita. Mas cuida-te.
(Já te disse que me és precioso?)


16 comentários:

  1. Ui, coração apertadinho!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tentar não saltar pela boca! :)

      Eliminar
  2. Mãe sofre, não é?

    Beijos, Lindona ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde o dia da risquinha azul na caneta, Mary.

      Beijos :)

      Eliminar
  3. Não é nada comigo e fiquei com o coração apertado... Vai correr tudo bem, ele sabe o quanto te é precioso. Agora é a minha vez de deixar um abraço ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como o meu fica iluminado quando tu contas dos teus macaquitos? Então, estamos quites :)
      Obrigada, vamos lá apertar bem este abraço, Be.

      Eliminar
  4. Ser mãe não vem com manual de instruções. Então, porque somos todas tão iguais?
    [Pergunta para queijinho :)]
    Que corra tudo bem e que ele se divirta muito!
    Beijinhos LB :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha mãe sempre me disse que as mães foram inventadas quando Deus percebeu que não tinha anjos que chegassem.
      [Retórica, mesmo :)]
      Vai correr, torçamos por isso. Obrigada, Té.
      Beijinhos :)

      Eliminar
    2. [Empatia] :)

      Eliminar
  5. Eu não posso ter filhos, mas sinto que estas tuas aflições são as melhores aflições do planeta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos, são as mais doces, Gaffe :)
      Mas amargam na mesma...

      Eliminar
  6. Anónimo3/4/18

    ui, jesus. coração ao alto. há sempre um olhar que cuida. tem de haver.
    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem de propósito, Mia: tinha acabado o texto, precisamente, com “coração ao alto”. Depois apaguei, até porque nunca consigo isso. Fica espremido, desacelerado, rasteiro.
      Obrigada ❤️
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Pobres Mães e pobres Pais.
    Há que tentar desvalorizar...mas é difícil.
    O o 1º dia de infantário ?
    Tudo irá correr bem .E será importante para eles.
    Mas é difícil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tudo à escala, sim. Por isso é que se diz que nós crescemos com os filhos. São muitos, os cordões que se vão cortando ao longo da vida. Este é só mais um...

      Eliminar