30/05/2018

Duas linhas paralelas que se encontrarão no infinito

Era uma vez um homem que, pouco depois dos quarenta, sofreu um acidente muito grave, que o atirou para uma cama de hospital, num coma que parecia não ter fim. A mulher, médica, persistiu na ligação de todas as máquinas que lhe suportaram a vida durante quarenta dias, contra todas as perspectivas, contra a vontade de todos os colegas que observavam o marido, contra a lógica científica. Uma familiar, em visita, ouviu o seguinte comentário de um para outro: "Mas o que é que ela quer mais? O homem está morto!". E, dessa mesma "morte", um dia o homem "ressuscitou" e ainda sobreviveu mais vinte anos, sem sequelas, fazendo felizes mulher e filhas, e mãe e irmãos, e cunhados e sobrinhos, e sendo feliz, também ele. A tal morte, quando veio, não adveio em consequência do acidente.
~
Era uma vez uma senhora, passados que haviam sido os noventa anos, frágil como um passarinho, que caiu doente com uma doença que de nenhum cuidado seria, não fora o factor idade, o factor debilidade física, o factor indiferença pelo mundo. Contra todas as perspectivas, contra a opinião de médicos, de ombros encolhidos e a palavra "idade" a cada suspiro, contra a lógica científica a que o pequeno corpo recusou obedecer, a senhora recuperou e, apesar de (não há melhor metáfora, daí o pleonasmo) frágil como um passarinho, saiu do hospital para viver ninguém sabe quanto mais. 
~
Estas são as histórias do meu pai e da minha mãe, assim ordenadas por uma mera opção cronológica. 
Esta é a minha opinião sobre a eutanásia. Baseia-se apenas em — dirão alguns, pobre — experiência pessoal. Nem sequer tem influência religiosa — com aquela base "o que Deus deu, só Deus pode tirar", pois que, contra-argumentando comigo própria, também por uma lógica estritamente científica, se fui eu que dei vida aos meus filhos, também só eu... É que não. 
Não sou fundamentalista em relação a coisa nenhuma. Mas não consigo estruturar ideias inteligentes e forma(ta)das quando o assunto é amor.


12 comentários:

  1. É uma coisa tão própria e tão complicada que penso que poucos terão ideias completamente estruturada.

    ResponderEliminar
  2. Acabei de escrever exactamente o mesmo.
    😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vi, no próprio dia. Great minds 😘

      Eliminar
  3. Mas não achas que cada qual tem direito a escolher por si próprio?
    Podia relatar aqui uns quantos com um final bem menos feliz. Pessoas que ainda hoje não podem fazer luto e seguir em frente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho. Mas é cada qual, como bem dizes. Não o outro por nós.
      Na verdade, estou para esta questão como estou para o aborto: tudo bem para as outras, eu dispenso. Não é uma questão religiosa, é uma escolha pessoal.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Obrigada a ti, Ana. Inspirei-me contigo :)

      Eliminar
  5. Sempre achei ter uma opinião sobre o assunto, neste momento estou como o outro... "Só sei que nada sei". Por outro lado, acho que quando é a própria pessoa a decidir o seu destino (fim), a sua vontade deve ser tida em conta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, concordo. Quando a escolha cabe a outros, fica-me sempre o amargo da possibilidade do “legal homicídio”...

      Eliminar
  6. Olá Linda ,
    Tema muito complicado e difícil para mim . Era sim a favor. Agora depois do teu post ...olha fiquei muito confuso e sem saber mesmo.Acredita que comigo aconteceu assim. É mesmo verdade. Está agora !Linda dás-me volta à cabeça 🤔

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas uma pessoa escreve sobre assuntos mais sérios, é para meditar e pôr a pensar quem lê. Ainda bem que é assim :)

      Eliminar