15/05/2018

(Auto)promessa cumprida

Assim como todos os caminhos vão dar a Roma, também é verdade que existem duas formas de chegar à Catedral de São Pedro: uma por fora e outra por dentro. 

À chegada à Praça de São Pedro, não faltam guias que se autoproclamam oficiais, pagos pelo Vaticano, fiscalizados pela Polícia, que está mesmo aqui ao lado, e nisto cai quem quer. Segundo exaustiva (porque a mim tudo me exausta) explicação do que nos calhou em sorte, a entrada para a Catedral, feita directamente pelo percurso do Museu e da Capela Sistina, é mais directa, evita que se andem oito quilómetros e que se fique na fila que circunda a Praça de São Pedro (com mais de um quilómetro de perímetro, ou a matemática me falha agora), o que é possível se despendermos mais 21 euros, a acrescentar aos 31 que já largámos para entrar no Museu. 

[Aprendi a fazer panorâmicas, agora ninguém me agarra!]
E também já tenho um pau de selfie, socorro!
[Hei-de experimentar a panorâmica em pau de selfie!]
Ora, ide pastar, por razões várias, de entre as quais a pelintrice: 1. Não é verdade que se andem oito quilómetros entre a entrada do Museu e a Praça de São Pedro (nem quatro para cada lado); 2. Não imagino o que é visitar a Catedral no mesmo dia em que se visita o Museu e a Capela. Quando cheguei à Capela, estava tão farta de andar em corredores estreitos, a subir e a descer escadas, envolvida numa massa humana suada e fotógrafa, que, se me metessem na Catedral naquele momento, tenho a certeza que entrava em transe religioso (ou outro qualquer); 3. Os 21 euros vão para um guia que consegue que a visita se transforme no dobro da duração, ou seja, que passe de duas para quatro horas. E isso, naquelas condições, para mim não dá. 
Portanto, o que fizemos, foi: Museu e Capela num dia, Catedral noutro.
Também não é verdade que a visita à Catedral seja completamente gratuita. Isso está dito e escrito por todo o lado, mas é a brincar. Acontece que o povo peregrino é sujeito ali ao sobreaquecimento dos mióis enquanto espera na fila para entrar, e depois, chega lá dentro e está por tudo, não querendo dar por perdido o tempo que ficou na fila. Quando não chove, deve estar sempre sol (errrr) na Praça de São Pedro, pois que praticamente não existem zonas de sombra. E isso pode determinar as opções, uma hora e meia depois de fritura craniana. Aquilo, entra-se e ah, maravilha!, vai-se para outra fila, por mais meia hora. É quando se começa a ver avisos de que nos estamos a dirigir à cúpula, para o que temos duas opções: ou pagamos dez euros e vamos de elevador (nem quero imaginar o pitol), ou pagamos oito euros e subimos 551 degraus (o que, segundo eles, equivale a 45 andares; o que, segundo eu, equivale a 27 andares; o que, segundo me parece, significa que os degraus são para gigantes). Ora, 551 degraus, ainda que fossem liliputianos, ao fim de duas horas de espera em pé, só se fosse para salvar a vida a um filho. Vi-me e desejei-me para sair da fila (correntezinhas por todos os lados, guardas a cada três passos), mas saí, que a cúpula da Catedral me interessa zero vista por fora: tenho vertigens, as alturas estoiram-me os ouvidos, vistas bonitas sobre a cidade já eu trazia do Fórum Romano, e a ideia de subir aqueles degraus todos, por corredores estreitos — e depois ter que os descer! — alapada a gente suada, olhem, desculpem a franqueza, mas nem que tivesse que simular um desmaio para me livrar da filinha pirilau. 
Assim, vi a cúpula por dentro, cumpri um dos meus objectivos de vida, que foi ver la Pietà, e saí de lá feliz e contente.



4 comentários:

  1. Anónimo15/5/18

    estou tramada. então, agora que já tenho o bilhetame comprado para este sábado- vou dar abracinho a filhinha fofa- e aproveito a benção de todos aqueles santos santificados, e vens tu dar-me explicações exaustivas de um labirinto pior que o do minotauro? mandei filha estudar todo o processo, vamos lá ver se venho de lá exaurida. depois te direi.
    beijinhos, Linda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sorte, Mia, aproveita muito!
      Olha, põe a hipótese de eu ser uma mina preguiçosa, que se cansa facilmente. Mas a sério, conheço muita gente que foi lá um fim de semana e viu tudo na mesma.
      Boa estadia, mata as saudades que puderes!
      Beijinhos :)

      Eliminar
  2. Opa, saudades de Roma!! (E tuas 😊)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. È così bella! (E eu tuas! :))

      Eliminar