10/11/2016

Ballets Trockadero — check!

Sabia que ia ver homens a dançar ballet com tutu, collants, em pontas. Pontas? E eu que pensava que isso era anatomicamente impossível, e que só Nureyev, por qualquer razão — excepção à regra, configuração dos tornozelos e pés diferenciada, treino intensivo — conseguia, eis que se me revela diante dos olhos um corpo inteiro de ballet, exclusivamente constituído por homens, em que todos faziam pontas. 
Homens em pontas, com pêlos nas axilas e no peito, a dançar o Lago dos Cisnes, não é uma palhaçada: apesar dos momentos de humor, das falsas quedas, dos falsos enganos, do non sense de uma bailarina a comer fruta a meio da actuação, homens em pontas, com pêlos nas axilas e no peito, a dançar o Lago dos Cisnes é um assunto muito sério de técnica e profissionalismo, de muitas horas de treino, esforço, sacrifício e dedicação, mas também de uma gigantesca boa disposição e descontracção perante os pré-conceitos, os conceitos e os preconceitos. Não são drag queens, não são travestis, não são transexuais: são homens, com todos os caracteres masculinos à vista [sim, é estranho, mas está lá, indisfarçado, por baixo do tutu], a dançar ballet clássico como [e lá vem a machista de serviço] muitas bailarinas jamais dançarão. Um corpo de excelência, em que a graciosidade fez muito pouca falta, diante de semelhante profusão de talento.
E também, por uma vez, uma plateia  — sala cheia — constituída por menos bailarinos profissionais e alunos de dança, e mais gente que gosta de um bom espectáculo, além de genuinamente bem humorada. Estive em casa durante duas horas e meia.

4 comentários:

  1. por muito treino e técnica que haja, a paixão pela dança é que lhes confere aquele nível de excelência.
    beijinhos, Linda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tal e qual. Nem a pouca graciosidade lhes fez falta, porque that was not the point
      Beijinhos, Mia

      Eliminar
  2. Talento sem género. Apesar do sempre intrincado espírito da discriminação:“coisa de mulherzinha”. Como se a dança, aliás como de resto qualquer disciplina da arte, não carecesse em igual medida da graça e da leveza, do vigor e da pujança na expressão da excelência.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo os bailarinos que interpretam papeis masculinos, são quase sempre conotados como homossexuais. And so what? Haverá homossexuais em todas as profissões. E estes em particular, sendo-o ou não, são profissionais de primeira qualidade. E isso chega.

      :)

      Eliminar