02/12/2014

Ponham-se no meu lugar

Saí de Cascais, perto do tribunal, em direcção a Lisboa. Não uso GPS. 
(já me chegam as minhas vozes a gritarem-me "Sua estúpida, era na terceira saída!", para ainda ter a outra a refazer-me o caminho de 30 em 30 metros, enquanto me ralha)

Também não fui ao Google maps, com o qual me entendo cada vez menos. 
(agora resolveu ser resumido e traça-me os planos assim: "Meta-se pela A 5 e ande 32 km". Olha, porra, eu também sei fazer esta merda sem maps nenhum)

Após várias rotundas, subidas e descidas (de certeza que Cascais não é uma colina de Lisboa?), e já enjoada de tanta contra-curva, visionei a placa que dizia A 5. 

No exacto momento de entrar na A 5, entrei na A 16. Don't ask.

Passei por toda a linha de Sintra. Noite, breu, negra, só as luzes dos outros carros, e eu perdida, a não querer abrandar - placas a dizer "Lisboa - 22" e, a seguir, placas a dizer "Lisboa - 25". E eu não estava a andar para trás -, perdi a conta a quantas portagens passei.

Tinha um papelinho branco no limpa-pára-brisas, que só não lhe fiz o que costumo fazer - sacudi-lo, ligando os pára-brisas -, porque não me pareceu ser do professor Karamba. 

Deu-me uma cãibra no pé esquerdo que, vá lá, é o da embraiagem. Mas uma puta de uma cãibra, daquelas de se pôr a trepar-nos a perna até ao joelho.

Eu refaço as contas: autoestrada, noite escura, caminho desconhecido, poucas placas, uma cãibra das boas.

Só me lembrei do arquitecto: "Aguenta e não chora". Não chorei, aguentei, mas aguentei meia-hora, não foram cá míseros três minutos. Disse alguns palavrões. Designadamente porque me apetecia vomitar e não tinha para aonde. Estava enjoada das rotundas de Cascais, da A 16 (nem sei se ainda estava nessa, ou se já me tinha metido na A 9. Sei que estava numa A) e da cãibra. Sou uma flor.

Depois cheguei a casa e, afinal, o papelinho, era uma multa de estacionamento. 
(não sei como não fiquei presa no elevador. E não tropecei à entrada de casa e parti os dentes da frente. E, ao ligar a luz, não me electrocutei. Também podia morar mesmo ao lado de uma mata. Hoje ia lá cagar)


5 comentários:

  1. Respostas
    1. Podia.
      Mas não era a mesma coisa.

      Eliminar
  2. Tu e a estrada têm um assunto mal resolvido não têm?
    Parece-me que sim...

    ResponderEliminar
  3. Caredo mulher! E eu em fecho sem te poder ajudar! Para a próxima, arranja um GPS primeiro. Ou alguém que te explique como se vai de onde para onde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho medo daquela voz: "Na próxima rotunda, saia na segunda saída".

      Eliminar